Altice: “Governo não vê a importância” do investimento

Armando Pereira criticou esta quinta-feira o Governo português por não reconhecer a importância dos investimentos da empresa francesa em Portugal. O cofundador da Altice diz que vai continuar.

Armando Pereira, cofundador da Altice, natural de Vieira do Minho.Henrique Casinhas/ECO

Armando Pereira garantiu esta quinta-feira que os investimentos da Altice em Portugal são para continuar. Na passada sexta-feira, a empresa francesa anunciou que vai adquirir a Media Capital, dona da TVI e da Rádio Comercial. Em declarações transmitidas pela RTP, o cofundador criticou o Executivo por não reconhecer a importância dos investimentos feitos pela empresa em Portugal.

Muitas vezes o Governo português não vê essa importância. Mas nós não fazemos política. Somos industriais e só vemos uma coisa que é importante: fazermos um trabalho e dar trabalho aos portugueses”, afirmou Armando Pereira, em declarações feitas em Vieira do Minho, na inauguração do segundo call center da empresa. O cofundador da Altice diz ter “prazer” em trazer o que consegue para Portugal.

Mesmo se às vezes nos dizem ‘para que vêm para aqui, eles não nos querem, penso que não gostam de nós’, vamos continuar“, afirmou Armando Pereira, natural de Vieira do Minho. O cofundador da Altice admite que parece que em Portugal “não gostam” da empresa. Já na semana passada, na conferência de imprensa, o presidente executivo, Michel Combes, afirmou a empresa não está em Portugal “para fazer política”. “O que estamos a apresentar é um grande projeto para o país”, afirmou Combes.

A empresa voltou a estar na ordem do dia com o anúncio da compra da TVI e os problemas com os trabalhadores da PT. Ainda esta quarta-feira, no Parlamento, os dois assuntos estiveram em debate com os partidos à esquerda a pedir um travão no negócio, assim como uma intervenção mais forte na proteção dos trabalhadores. No entanto, o Governo remeteu a questão para os reguladores e a ACT.

Foi na passada sexta-feira, dia 14 de julho, que o grupo francês anunciou que chegou a acordo com a Prisa para comprar a Media Capital por 440 milhões de euros, depois de semanas de especulação. O negócio junta a operadora Meo à TVI, uma tendência de consolidação entre empresas de media e operadoras que já se verifica noutros mercados na Europa e América do Norte. Paulo Neves, da PT, passou a ser o chairman executivo da Altice Portugal e Claudia Goya passará a liderar a Meo.

No Debate do Estado da Nação, António Costa comentou o caso: “Partilho os receios sobre a evolução da PT [comprada pela Altice]. Porque receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização, possamos vir a ter um novo caso Cimpor e um novo desmembramento que ponha em causa não só os postos de trabalho como o futuro da empresa”. O primeiro-ministro foi mais longe, tendo sido posteriormente criticado: “Já fiz a minha escolha da companhia que utilizo”.

Na própria sexta-feira os analistas do BPI diziam que a operação poderá enfrentar “entraves políticos”. “Depois dos comentários do primeiro-ministro, António Costa, relativamente à Altice, acreditamos que possam existir barreiras políticas para a conclusão deste negócio por parte da Altice“, afirmou Pedro Oliveira, analista do BPI. A análise refere que a aprovação dos reguladores pode atrasar o negócio, principalmente se for feita uma “investigação aprofundada”.

(Atualizada às 13h56)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Altice: “Governo não vê a importância” do investimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião