Moody’s considera que compra da TVI “está em linha com a estratégia” da Altice

  • Lusa
  • 17 Julho 2017

"Consideramos que o múltiplo está em linha com transações comparáveis", referem os analistas da Moody's, numa nota hoje divulgada.

A Moody’s considerou esta segunda-feira que a compra da Media Capital pelo grupo Altice “está em linha com a estratégia” da dona da PT Portugal de desenvolver “uma oferta convergente de media e telecomunicações” nos seus mercados centrais.

A Altice, que comprou há dois anos a PT Portugal, anunciou na passada sexta-feira (14 de julho) que chegou a acordo com a espanhola Prisa para a compra da Media Capital, dona da TVI, entre outros meios, numa operação que avalia o grupo de comunicação social português em 440 milhões de euros.

Este valor é 10,6 vezes o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) de 2016, segundo a Moody’s.

“Consideramos que o múltiplo está em linha com transações comparáveis”, referem os analistas da Moody’s, numa nota hoje divulgada, na qual consideram ainda que “a aquisição da Media Capital pela Altice está em linha com a sua estratégia de desenvolver uma oferta convergente de media e telecomunicações nos seus mercados centrais, como Portugal”.

"Consideramos que o múltiplo está em linha com transações comparáveis. A aquisição da Media Capital pela Altice está em linha com a sua estratégia de desenvolver uma oferta convergente de media e telecomunicações nos seus mercados centrais, como Portugal.”

Moody's

Esperamos que o negócio da Media Capital seja realizado pela Altice International e integrado no negócio da Portugal Telecom“, prosseguem, acrescentando que “a extensão desta integração não é ainda clara e há alguns riscos associados a esta operação”.

A Moody’s recorda que a Altice está a apostar nos conteúdos de media para reforçar o seu negócio em França (SFR) e que esta compra representa uma “aproximação consistente” em Portugal, recordando que a Altice International acedeu aos direitos de futebol através da parceria que tem na Sport TV com os restantes operadores.

“Esta compra irá fornecer adicionalmente conteúdos em língua portuguesa que apoiem a marca MEO” e também a Teads, empresa de publicidade ‘online’ cuja compra foi anunciada em março deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s considera que compra da TVI “está em linha com a estratégia” da Altice

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião