Impresa quebra silêncio sobre o negócio TVI/Meo

O grupo Impresa reagiu à compra da Media Capital pela Meo, da Altice. Pede aos reguladores que tenham em conta os princípios de "concorrência leal" e "pluralismo".

O grupo Impresa está confiante que os reguladores portugueses vão ter “em conta” os princípios da “concorrência leal” e do “pluralismo na comunicação social” quando se pronunciarem sobre a compra da concorrente Media Capital pela Altice, dona da Meo, numa operação realizada por 440 milhões de euros.

Numa reação ao negócio enviada às redações, a dona da SIC sublinha: “A Impresa é, e sempre foi, a favor da concorrência leal num mercado que funcione de forma sã, bem como do pluralismo na comunicação social.” E acrescenta: “Estamos confiantes de que os reguladores portugueses e europeus terão estes dois princípios em conta quando se pronunciarem sobre a operação em causa.”

A segunda compra da Altice em Portugal, que surge anos depois da aquisição da PT Portugal à Oi, está ainda dependente da avaliação dos reguladores espanhóis e portugueses, nomeadamente a Autoridade da Concorrência e a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, que tem parecer vinculativo.

"Estamos confiantes de que os reguladores portugueses e europeus terão estes dois princípios [da concorrência leal e do pluralismo] em conta quando se pronunciarem sobre a operação em causa.”

Impresa

Fonte oficial

A guerra das televisões

Na última sexta-feira, a operadora Meo, através da Altice, fechou a compra da dona da TVI por 440 milhões de euros aos espanhóis da Prisa, após meses de rumores nesse sentido. É a primeira vez que uma empresa de telecomunicações compra um grupo de media em Portugal, uma tendência que já se registava noutros mercados como França e Estados Unidos.

Nos termos da lei, a Altice lançou ainda uma oferta pública de aquisição sobre a Media Capital, no sentido de garantir a parcela e pouco mais de 5% que não é detida pela Prisa, o que deverá resultar na saída da Media Capital da bolsa de Lisboa.

Os títulos da dona da TVI dispararam, tal como os da Impresa, com os investidores na expectativa de que a dona da estação de Carnaxide, principal concorrente da TVI, possa ser alvo de um negócio semelhante. No final do ano passado, Miguel Almeida, presidente executivo da operadora Nos, disse que se a Meo avançasse sobre a TVI, haveria “guerra”.

Esta segunda-feira, porém, ambas as cotadas estão a corrigir dos ganhos da sessão anterior. Só a Impresa derrapa 3,76%, enquanto a dona da TVI cai 1,1%.

Evolução das ações da Media Capital

(Notícia atualizada às 12h45 com mais informação.)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Impresa quebra silêncio sobre o negócio TVI/Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião