Uber sai de Macau: estava ilegal desde o início

  • Lusa
  • 17 Julho 2017

Há dois anos que a Uber acumula multas por operar em Macau "à margem da lei". A empresa desistiu esta sexta-feira de regularizar a situação e anuncia a saída temporária deste mercado.

A empresa de transporte partilhado Uber anunciou a suspensão, a partir da próxima sexta-feira, da atividade em Macau, onde operava à margem da lei, acumulando multas desde o início da operação há quase dois anos. A ação do Governo macaense é criticada e considerada inflexível por vários deputados.

Lutámos muito todos os dias para legitimar a nossa operação em Macau. (…) Infelizmente, ainda há espaço para melhorar neste aspeto”, indica o comunicado enviado hoje à imprensa. “Por isso, depois de uma análise cuidada, decidimos suspender temporariamente as nossas operações em Macau às 23:59 de sexta-feira, 21 de julho”, adianta a nota assinada por Trasy Lou Walsh, diretora-geral da Uber Macau.

O serviço da Uber é considerado ilegal pelas autoridades de Macau que aplicam multas de 30.000 patacas (3.300 euros) nos casos em que “os veículos são utilizados em serviço remunerado com finalidade diferente da autorizada ou da constante da sua matrícula”.

Ao suspender atividade em Macau temporariamente, a Uber disse que espera abrir a porta para um “diálogo construtivo com as partes interessadas” em Macau e “explorar novas formas de voltar a servir a cidade”. A empresa tinha, já em setembro do ano passado, ponderado a saída do território, depois de ter acumulado mais de dez milhões de patacas (um milhão de euros) em multas, segundo valores divulgados então pelo governo.

Nessa altura, a Uber disse ter contratado mais de 2.000 condutores a tempo inteiro ou parcial em Macau, gerando “um efeito económico superior a 21 milhões de patacas (2,3 milhões de euros)”. Além de uma petição e manifestação nas ruas de Macau, a legalização da Uber chegou a ser levada à Assembleia Legislativa pelo deputado Au Kam Sam, da designada ala pró-democracia e eleito por sufrágio universal, que numa interpelação ao governo detalhou como Pequim regulou plataformas como a Uber com legislação que entrou em vigor em novembro do ano passado, considerando que pode servir de inspiração para o Governo da região.

O deputado sublinhou que em Macau só se pode recorrer aos táxis, que não podem ser chamados pela internet, o que considerou “ridículo numa cidade internacional” que ambiciona ser “um centro mundial de turismo e lazer” e uma “cidade inteligente”. Au Kam Sam criticou ainda que o Governo insista na punição dos motoristas da Uber e recuse conversar com a empresa, que pode ser a solução para alguns problemas de Macau, onde é difícil, por vezes, conseguir um táxi e onde o serviço é muito criticado.

Na resposta, o secretário que tutela os transportes, Raimundo do Rosário, reconheceu que a população e visitantes “se têm manifestado descontentes com a qualidade do serviço de táxis”, mas insistiu que qualquer veículo usado no transporte de pessoas e todos os motoristas têm de se sujeitar à legislação que regulamenta os táxis em Macau. Pequim regulou as atividades da Uber, da Didi Chuxing e de outras aplicações de transporte no ano passado.

Vários deputados consideraram então surpreendente que a China seja “mais flexível” do que Macau nesta matéria. A notícia da retirada da Uber de Macau é conhecida no dia em que foi publicado, em Boletim Oficial, o aumento da bandeirada dos táxis de 17 para 19 patacas (1,8 para 2 euros), com entrada em vigor em 23 de julho.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uber sai de Macau: estava ilegal desde o início

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião