Costa volta a criticar PT: Rede exposta a “fragilidades”

  • Marta Santos Silva e Lusa
  • 17 Julho 2017

Numa zona com alto risco de incêndios florestais, afirma António Costa, o sistema de comunicações "de uma determinada companhia" não deve assentar em cabos aéreos.

O primeiro-ministro António Costa acusou a PT de ter “fragilidades inadmissíveis” na sua rede, por depender de cabos aéreos em zonas de risco de incêndios florestais, tanto para as comunicações de emergência como para as normais, embora não tenha dito o nome da empresa diretamente, para não ser criticado, acrescentou.

Em declarações transmitidas pela RTP 3, na sequência de mais uma falha do SIRESP, o sistema de comunicações de emergência utilizado pela Proteção Civil, desta vez em Alijó, António Costa afirmou que “temos de ter uma rede que funcione em todas as circunstâncias”. Para o primeiro-ministro, isso aplica-se não só às comunicações de emergência como também às normais.

“É de senso comum que numa zona de grande densidade florestal, onde há elevado risco de incêndio, o sistema de comunicações de uma determinada companhia, que não vou dizer o nome para não me criticarem, assentar em cabos aéreos, e nessa rede circular não só a comunicação normal como as comunicações de emergência, expõe a rede a uma fragilidade inadmissível”, disse o primeiro-ministro, referindo-se à exploração feita pela PT, detida pela multinacional Altice.

“Temos de obrigar quem explora essa rede de emergência a cumprir as suas obrigações em pleno”, disse ainda, referindo-se às falhas identificadas na rede SIRESP.

O primeiro-ministro garantiu ainda que as falhas no SIRESP serão corrigidas e rejeitou que só agora tenham sido descobertos problemas. “[Se] é necessário corrigir, nós obrigaremos às correções de forma a que tudo funcione a tempo e horas”, garantiu António Costa. A ministra da Administração Interna “já terminou”, disse o primeiro-ministro, a aquisição de equipamentos de comunicação por satélite, o que fez com que o problema registado em Alijó, distrito de Vila Real, pudesse “rapidamente” ser resolvido.

“É um sistema que funciona há onze anos e não foi, com certeza, agora que foram descobertos problemas”, sublinhou António Costa, observando que existem relatórios de 2014 “que apontaram deficiências” ao sistema, que o Governo está agora a corrigir, nomeadamente através da aquisição de antenas móveis de satélite.

As críticas de Costa à PT

No debate do Estado da Nação na semana passada, António Costa já deixara uma crítica forte à PT, indo mais longe do que a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, que o questionava sobre os despedimentos na empresa. “Partilho consigo os receios sobre a evolução da PT”, respondeu o primeiro-ministro, criticando a forma “irresponsável” como aconteceu a privatização e comparando a empresa ao caso da Cimpor.

António Costa criticou ainda a gestão do SIRESP, do qual a PT é uma das principais acionistas. “Espero que a autoridade reguladora olhe com atenção para o que aconteceu só nestes incêndios de Pedrógão Grande com as diferentes operadoras, para compreender bem como houve algumas que conseguiram manter sempre as comunicações e como é que houve outra que esteve muito tempo sem conseguir manter comunicações nenhumas”, afirmou. “Eu, cá por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo”.

A crítica à empresa, cuja dona Altice iniciou agora um processo de compra da TVI, valeu-lhe uma acusação de Pedro Passos Coelho, que o comparou com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump: “Lembro-me de aqui há uns meses do escândalo que foi quando o Presidente dos Estados Unidos ter discriminado negativamente uma cadeia de empresas norte-americanas”. E acrescentou: “Não sei o que é que terá levado o Dr. António Costa a, de certa maneira, fazer uma admoestação pública a uma empresa”, afirmou Passos Coelho, referindo que “nunca” tinha ouvido um primeiro-ministro “a atirar-se assim a uma empresa”.

Notícia atualizada às 16h10 com as declarações sobre a resolução dos problemas do SIRESP.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa volta a criticar PT: Rede exposta a “fragilidades”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião