Meo responde à Deco. Diz que registou “apenas 6.464” queixas em “mais de 43.000”

A Deco concluiu que o setor das telecomunicações foi o alvo de mais reclamações em 2017. Meo responde à Associação e diz que tem "o seu foco no cliente".

A Meo respondeu à Deco. Em números revelados esta semana, a associação de defesa do consumidor aponta o setor das telecomunicações como o mais visado no que toca a reclamações de clientes. Ora, numa nota enviada à comunicação social, a operadora da Altice garante que “durante o período em análise, registou apenas 6.464 [queixas], do universo de mais de 43.000 queixas apontadas pela Deco”. Segundo os dados da Deco, o setor foi alvo de 42.339 reclamações no ano passado.

A empresa garante que tem “o seu foco no cliente e na sua satisfação”, citando dados que apontam para um grau de satisfação de 84,02% dos consumidores em relação ao serviço móvel da empresa. “O Meo rege-se por práticas de satisfação do cliente no âmbito de valores sólidos de qualidade de serviço, que têm permitido à empresa garantir um número muito residual de situações de conflito”, aponta a operadora.

Como o ECO noticiou esta terça-feira, em termos globais, o setor das telecomunicações “continua a ser o maior alvo de queixas” no gabinete de apoio ao consumidor da Deco. O setor foi alvo de 42.339 reclamações, seguido de longe pela compra e venda, energia e água e, depois, serviços financeiros, segundo números revelados pela própria associação.

“A postura das empresas de telecomunicações continua a ser uma postura lesiva dos interesses dos consumidores, nomeadamente através das suas práticas comerciais desleais, e sobretudo que também violam a lei”, sublinhou a diretora-geral da Deco, Ana Tapadinhas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Meo responde à Deco. Diz que registou “apenas 6.464” queixas em “mais de 43.000”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião