Exclusivo Afinal, a Meo não vai acabar. Altice também mantém Moche e PT Empresas

A última fase da reorganização das marcas da Altice Portugal vai ser concluída este mês. Empresa vai manter as marcas Meo, Moche e PT Empresas. A Fundação PT passa a Fundação Altice.

Alexandre Fonseca, presidente executivo da Altice PortugalPaula Nunes / ECO

É neste mês de março que a Altice ATC 2,47% vai pôr em marcha a última fase do plano de reorganização de nomes e marcas no mercado português. No entanto, ao contrário do que estava previsto, a marca Meo não vai desaparecer, nem as iniciais “PT” vão passar completamente à história. Debaixo da Altice Portugal permanecerão as marcas Meo, Moche e PT Empresas, enquanto a Fundação PT passará a chamar-se Fundação Altice, apurou o ECO junto de fonte familiarizada com o assunto.

Assim, a empresa liderada por Alexandre Fonseca deixará oficialmente os antigos nomes “PT Portugal” ou “PT/Altice” para passar a adotar sempre, de forma institucional, a marca Altice Portugal. Numa vertente mais comercial e de retalho, manter-se-á a marca Meo. Numa ótica mais voltada para os consumidores mais jovens, a Altice manterá também a marca Moche. Também a PT Empresas vai manter a mesma designação, voltada para os 2.000 a 3.000 clientes empresariais de topo da companhia. A Fundação PT passa a Fundação Altice.

O ECO sabe que a decisão assentou em estudos de mercado que mostraram a notoriedade das marcas e, particularmente da Meo, enquanto a marca Altice esteve nos últimos meses associada a problemas de imagem, como o dos trabalhadores.

Contactada, fonte oficial da empresa refere: “A Altice Portugal, detentora das marcas Meo, PT Empresas, Sapo, Moche e Uzo, continuará o seu caminho de enraizamento na sociedade portuguesa, onde está presente desde 2012, vincando os seus valores e missão, continuando a liderar o setor das comunicações em Portugal, nos segmentos fixo e móvel, bem como nas soluções convergentes.”

Além disso, a empresa liderada por Alexandre Fonseca reforça que “a clarificação do posicionamento de marca seguirá um plano de atividades objetivo e bem definido, que terá momentos próprios no decorrer do ano e acompanhará um conjunto de iniciativas” para “destacar a Altice Portugal como marca de elevado reconhecimento por parte de todos os portugueses”. “Queremos respeitar o passado prestigioso da marca Portugal Telecom e juntar as características positivas da marca Altice”, conclui.

Importa recordar ainda que o grupo Altice levou a cabo um spin off da unidade norte-americana no início deste ano, formando duas novas empresas: a Altice Europe e a Altice USA, ambas com Patrick Drahi como principal acionista. Deste lado do Atlântico, a Altice Europe passou a dividir-se em três empresas: Altice France, Altice International e Altice Pay TV. A unidade portuguesa passa, assim, a responder diretamente à Altice International, antiga Altice NV, que se encontra cotada na bolsa de Amesterdão.

Este é mais um capítulo na estratégia de Patrick Drahi de juntar, debaixo da mesma marca, a generalidade dos ativos que veio a adquirir ao longo de vários anos. Concretamente, a PT Portugal foi comprada em 2015 aos brasileiros da Oi, por quase cinco mil milhões de euros. Até aqui, acreditava-se que só os órgãos de comunicação social detidos pela companhia iriam escapar ao rebranding, como é o caso da BFMTV ou do jornal Liberatión em França. A Altice é um grupo internacional de telecomunicações, media e publicidade e lançou uma proposta de 440 milhões de euros pela Media Capital em Portugal, a dona da TVI. O negócio aguarda parecer do regulador da concorrência.

Foi em maio do ano passado que a Altice anunciou oficialmente as intenções de se reorganizar internamente. “O que nos faltava até agora era ter uma marca global única, que refletisse a natureza internacional e digital do nosso grupo, que reforça a força das nossas marcas e que vai reinventar o futuro”, afirmou o antigo presidente executivo do grupo Altice a nível internacional, Michel Combes, num encontro com jornalistas em Nova Iorque. O gestor abandonou a empresa no final do ano passado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Afinal, a Meo não vai acabar. Altice também mantém Moche e PT Empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião