Automóveis de teste da Tesla terão sido usados para minerar criptomoedas

Hackers encontraram uma conta da Tesla na cloud sem password e usaram o serviço para minerar moedas digitais. Alguns carros de teste da empresa terão sido comprometidos.

O problema não terá afetado carros vendidos pela empresa e detidos por clientes. Só veículos de teste.Elon Musk/Tesla/Twitter

Alguns automóveis da Tesla poderão ter sido usados para minerar criptomoedas, na sequência da invasão por desconhecidos de uma conta da empresa na cloud da Amazon. Segundo a fabricante, o problema ter-se-á limitado a carros usados pela Tesla para testes e não afetou automóveis adquiridos e usados por clientes.

O caso foi descoberto por uma startup de cibersegurança, chamada RedLock. Os especialistas encontraram uma conta na cloud que não tinha password e pertencia à Tesla, mas aperceberam-se de que a mesma já tinha sido descoberta por alguém. Terá sido esse “alguém” a instalar nos servidores um programa para minerar criptomoedas, ou seja, usar os recursos daquelas máquinas para gerar novas moedas virtuais a seu próprio proveito, às custas da Tesla. Como consequência, alguns automóveis de testes da marca poderão ter tido os computadores de bordo a minerar criptomoedas também.

A descoberta desta conta da Tesla totalmente exposta na internet fez parte de um programa de “caça aos bugs”, ou bug bounty. Em linhas gerais, é um método em que as empresas permitem a terceiros que explorem e encontrem vulnerabilidades nas respetivas infraestruturas, pagando por cada erro encontrado. Quem se dedica a esta atividade é obrigado a reportar os problemas às empresas antes de os levarem a público, para permitir que os mesmos sejam corrigidos.

Foi o que aconteceu. A Tesla tratou do problema e, à Business Insider, fonte oficial indicou: “Nós temos um programa de bug bounty para encorajar este tipo de investigações e resolvemos esta vulnerabilidade poucas horas depois de tomarmos conhecimento do mesmo.” A empresa acrescentou ainda: “O impacto parece ter sido limitado a veículos internamente usados por engenheiros para testes e a nossa investigação inicial não encontrou indícios de que a privacidade dos clientes ou a segurança dos veículos tenha sido, de alguma forma, comprometida.”

Segundo o jornal, a invasão poderá ter comprometido, ainda assim, informação gerada e detida pela Tesla relativamente a telemetria, mapeamento e serviços associados aos automóveis elétricos que a empresa faz e comercializa. Estes dados representarão propriedade intelectual da empresa que, caindo nas mãos erradas, pode tornar-se numa grande dor de cabeça para a empresa liderada por Elon Musk.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Automóveis de teste da Tesla terão sido usados para minerar criptomoedas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião