Nova administração do Montepio ainda à espera de ok do BdP

  • Rita Atalaia
  • 21 Fevereiro 2018

O Banco de Portugal ainda está a avaliar a idoneidade da nova administração liderada por Nuno Mota Pinto, garantindo que o processo "decorre atualmente de acordo com o disposto na lei".

O Banco de Portugal (BdP) ainda está a avaliar a idoneidade da nova administração da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), dois meses depois de Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, ter dito que não contava com Félix Morgado à frente da instituição financeira.

“O processo de avaliação da adequação dos membros dos órgãos sociais da CEMG decorre atualmente de acordo com o disposto na lei”, lê-se na resposta do BdP quando questionado pelo ECO se já assumiu alguma posição sobre a idoneidade da nova equipa.

O supervisor ainda não “proferiu qualquer decisão”, esclarece fonte oficial. A SIC Notícias tinha avançado que o regulador já teria dado o ‘ok’ à administração, podendo esta tomar posse na semana passada, algo que não aconteceu.

O BdP poderá estar à espera de saber como será a estrutura acionista do Montepio antes de tomar uma decisão sobre a nova administração. Ou seja, que a Santa Casa decida se vai, ou não, investir na instituição financeira ainda liderada por Félix Morgado.

"O processo de avaliação da adequação dos membros dos órgãos sociais da CEMG decorre atualmente de acordo com o disposto na lei [não tendo o BdP] proferido qualquer decisão.”

Banco de Portugal

Contactada pelo ECO, a Santa Casa esclarece que ainda não foi tomada qualquer decisão, nem há um prazo para que isso aconteça. Edmundo Martinho, provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, tinha indicado, no Parlamento, que a instituição iria tomar uma decisão sobre o investimento no banco Montepio até ao final do mês de janeiro.

Foi em dezembro que Tomás Correia formalizou a decisão de não contar com Félix Morgado na liderança do Montepio, apesar de ainda faltar um ano para o final do mandato — terminava em dezembro de 2018. A Associação Mutualista anunciou depois que tinha escolhido Nuno Mota Pinto para assumir a presidência do banco, por ter o “perfil requerido para a execução da estratégia definida”. A restante equipa conta também com Pedro Ventaneira, antigo diretor de risco do banco Haitong, João Rosete, diretor comercial do Novo Banco, e Helena Soares Moura, jurista da seguradora Ageas.

Esta quarta-feira, o Público avança que dois membros do conselho geral da Associação Mutualista questionam as condições da nova gestão para gerir o Montepio. Em causa estão alegados créditos em atraso, que constavam, até dezembro passado, das listagens do Banco de Portugal. A denúncia partiu de Carlos Areal e Viriato Silva, que fazem parte de uma lista opositora a Tomás Correia, que não especificam a quem se referem.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova administração do Montepio ainda à espera de ok do BdP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião