Ricciardi regressa à banca de investimento: “As pessoas devem continuar a fazer o que sabem”

José Maria Ricciardi regressou à banca de investimento. É partner e acionista da Optimal Investments, uma boutique financeira. E, sobre o BES, recorda: "A minha idoneidade nunca foi posta em causa".

José Maria Ricciardi regressou à banca de investimento, depois da saída do Haitong Bank em dezembro de 2016. Agora, terminado o período de ‘non compete agreement‘ com o banco detido pelos chineses, Ricciardi torna-se partner e acionista da Optimal Investments, uma boutique financeira que tem Jorge Tomé como managing partner. Em declarações exclusivas ao ECO, o gestor afirma que “as pessoas devem continuar a fazer o que sabem”.

O que é a nova sociedade? A Optimal Investments celebrou uma parceria com a Arcano Partners, grupo financeiro independente espanhol líder nos serviços financeiros de banca de investimento e consultoria. E a Arcano Partners tem, por sua vez, uma parceria com o Banco de Investimento norte-americano Jefferies.

José Maria Ricciardi era presidente executivo do Haitong Bank quando entrou em rutura com o chairman chinês, Hiroki Miyazato. Motivo: a estratégia de desenvolvimento do banco de investimento (antigo BESI) e as necessidades de capital para suportar essa estratégia. Em discordância com o que estava a ser decidido, a partir daí, o pedido de demissão era inevitável e foi confirmado no dia 6 de dezembro. O acordo de saída previa um ‘período de nojo’, isto é, o banqueiro estava proibido de trabalhar na concorrência durante um ano, até ao final de 2017. Agora, liberto desse compromisso, junta-se a Jorge Tomé. Antes concorrentes nos dois maiores bancos de investimento em Portugal, agora sócios na Optimal Invesments.

José Maria Ricciardi afirma, aliás, que é a experiência dos dois partners — Luís Paulo Tenente e Miguel Geraldes são os outros dois — que o leva a acreditar no sucesso da Optimal Investments. “Podemos repetir o que fizemos no BESI [agora Haitong] e no Caixa BI”. O gestor acrescenta que “a banca de investimento está a atravessar uma fase difícil em Portugal, e as exigências regulamentares são pesadas em termos de capital e governação. Na Optimal, temos uma equipa com experiência e a agilidade de uma boutique para assessorar operações que possam traduzir-se na canalização de investimento produtivo para Portugal”.

Precisamente esta quarta-feira foi conhecido que o Ministério Público confirmou que a insolvência do BES foi culposa. O procurador da República subscreve a leitura feita pela comissão liquidatária do banco e aponta como responsáveis 13 nomes, nomeadamente o de Ricardo Salgado, Amílcar Morais Pires, José Manuel Espírito Santo, Manuel Fernando Espírito Santo, Joaquim Goes e o próprio José Maria Ricciardi. Mas também esclarece que que a intervenção de cada um dos envolvidos deve ser diferenciada consoante “os distintos níveis de conhecimento” ou “acesso a informação relevante, verdadeira e atual”. Ricciardi escusa-se a fazer comentários diretos sobre este processo, que é cível e não criminal, e assegura que sempre comunicou o que tinha a comunicar às autoridades: “A minha idoneidade nunca foi posta em causa na administração do BESI e, depois, no Haitong, sai porque entendi que a minha função como CEO estava esgotada“.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ricciardi regressa à banca de investimento: “As pessoas devem continuar a fazer o que sabem”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião