Altice: Comprar, comprar… pagar 50 mil milhões mais tarde

Basta contar com os cinco maiores investimentos da Altice nos últimos dois anos para alcançar valores de milhares de milhões. Enquanto isso, a dívida cresce. E lucros? É preciso crescer, primeiro.

O grupo de Patrick Drahi tem feito investimentos avultados nos últimos anos. Mas a dívida ascende já aos 50 mil milhões.Henrique Casinhas/ECO

O nome Altice passou a marcar presença assídua nos noticiários portugueses quando, no final de 2014, avançou para a compra da PT Portugal aos brasileiros da Oi. Em junho de 2015, o negócio estava fechado. E a Altice desembolsava mais de sete mil milhões de euros para ficar com a dona da Meo. Foi o pontapé de saída para uma cruzada de investimento que se mantém até hoje e que, em dois anos, ultrapassou os 30 mil milhões de euros. Mas a dívida já vai em 50 mil milhões.

As compras

Basta contar com os cinco maiores investimentos feitos pela Altice ao longo dos últimos dois anos para alcançar valores na ordem dos milhares de milhões. Depois de fechada a compra da PT Portugal, a empresa de Patrick Drahi e Armando Pereira avançou para o mercado norte-americano, com a compra da Suddenlink e, pouco depois, da Cablevision.

Este ano, ficou-se por negócios mais modestos: comprou a startup de publicidade Teads e, por cá, prepara-se para ficar com a Media Capital, dona da TVI, entre outros negócios de media. Feitas as contas, a Altice já investiu 31,4 mil milhões em aquisições nos últimos dois anos. A estratégia é geralmente a mesma: acumular dívida agora, colher os frutos no futuro, com dispersões de capital e com lucros.

Portugal Telecom

O negócio foi oficialmente anunciado a 2 de novembro de 2014 e concluído a 2 de junho de 2015. A Altice comprou a Portugal Telecom à Oi, deixando de fora alguns ativos, como os negócios da operadora portuguesa em África, a dívida da Rioforte e a participação maioritária na própria Oi. Ao todo, a Altice pagou 7,4 mil milhões de euros, contando com a dívida da PT. Limpo de dívida, o negócio ficou avaliado em 5,78 mil milhões. Antes da conclusão da compra, a Autoridade da Concorrência obrigou a PT a vender a Cabovisão e a ONI ao fundo Apax França.

Suddenlink

Foi a primeira investida da Altice no mercado norte-americano. A empresa pagou 7,9 mil milhões de euros para ficar com a operadora regional Suddenlink, negócio que ficou concluído em dezembro de 2015 e que era o primeiro sinal intenção de Patrick Drahi de construir um império de telecomunicações por cabo nos Estados Unidos. Por essa altura, o grande alvo da Altice era a Time Warner, que viria a ser comprada pela AT&T em 2016.

Cablevision

Foi a alternativa à Time Warner. Depois da aposta na Suddenlink, a Altice desembolsou 15,4 mil milhões de euros para ficar com a Cablevision, a quarta maior operadora por cabo dos Estados Unidos. O apetite de Patrick Drahi pelo mercado norte-americano não deverá estar saciado. Na apresentação deste negócio, o dono da Altice disse que a operação coloca a operadora “numa boa posição para mais expansão”.

Teads

Já este ano, a Altice apostou no mundo das startups, ao comprar Teads por 285 milhões de euros, uma empresa de publicidade online que conta com uma audiência de 1,2 mil milhões de espetadores por todo o mundo. “Esta aquisição é mais uma componente crucial da estratégia global de publicidade da Altice”, informou a empresa, aquando do anúncio da compra. Continuou assim o plano de transformar a Altice numa empresa global.

Media Capital

O anúncio formal das negociações foi feito no final de junho e a operação ficou fechada na semana passada. A Altice comprou a participação de 94,69% que a Prisa detinha na Media Capital por 440 milhões de euros, numa operação que ainda está sujeita à avaliação das autoridades portuguesas e espanholas. Lançou ainda uma oferta pública de aquisição para tentar ficar com o restante capital do grupo de media português.

A dívida

? 50,701 mil milhões de euros ?

É este o valor da dívida líquida acumulada pelo grupo Altice: 50,701 mil milhões de euros. O valor está na última apresentação de resultados, relativos ao primeiro trimestre de 2017. A maioria da dívida, 15,353 mil milhões, é acumulada pela Altice France, a filial francesa pela qual o grupo detém a operadora SFR. Segue-se a norte-americana Cablevision, da Altice USA, com uma dívida líquida de 13,493 mil milhões de euros.

A Altice regista um rácio de dívida líquida face ao EBITDA de 7,64, muito superior à média do mercado (acima das quatro vezes). Na prática, significa que, mantendo o cenário constante, a Altice levaria mais de sete anos a pagar a dívida que hoje acumula. É apenas um dado indicativo, pois nada se mantém constante. Principalmente durante sete anos. Qualquer subida de juros por parte dos bancos centrais, fazendo subir o preço do dinheiro, pesaria seriamente nas contas da multinacional.

Os investidores, esses, parecem tranquilos. A empresa tem vindo a renegociar partes dessa dívida e a refinanciar-se junto de investidores institucionais. Além do mais, nos Estados Unidos, a Altice USA entrou recentemente em bolsa, recorrendo assim ao mercado de capitais como forma de angariação de capital. E os números impressionam: A entrada em bolsa permitiu à Altice angariar 1,9 mil milhões de dólares naquele que foi o segundo maior IPO do ano em Wall Street, a seguir à rede social Snapchat. Tratou-se ainda do maior IPO do século no setor das telecomunicações norte-americano.

Quanto a lucros, por agora nem vê-los. O grupo Altice apresentou prejuízos de 138,3 milhões de euros entre janeiro e março e fechou 2016 a perder 1,56 mil milhões de euros, um recorde para a empresa de Patrick Drahi e Armando Pereira. Ainda assim, o EBITDA, os lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações fixou-se no final de 2016 nos 8,09 mil milhões de euros.

A estratégia da Altice dita prejuízos ao final do ano, e deixa de fora o pagamento de dividendos aos acionistas. Para já, a empresa dá “prioridade às aquisições que acrescentem valor e investimentos na sua infraestrutura ou portefólio de direitos”. “No futuro, a companhia tenciona ter em conta a relevância de pagar dividendos”, lê-se num comunicado de setembro de 2016, mediante o seu pagamento ordinário ou extraordinário, ou através de recompras de ações, se isso “for adequado”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Altice: Comprar, comprar… pagar 50 mil milhões mais tarde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião