Empresa espanhola reconhece o direito a desligar o telemóvel fora do horário de trabalho

  • Lusa
  • 21 Julho 2017

Filial espanhola da AXA é a primeira empresa espanhola a reconhecer o direito à desconexão digital em contrato coletivo de trabalho.

A filial espanhola da multinacional francesa do setor dos seguros AXA é a primeira empresa em Espanha que reconhece, em contrato laboral, aos seus empregados o direito de desligarem o telemóvel fora do seu horário de trabalho.

“Excetuando causa de força maior ou circunstâncias excecionais, a AXA reconhece o direito dos trabalhadores de não responderem aos correios eletrónicos ou às mensagens profissionais fora do seu horário de trabalho”, prevê o acordo coletivo de trabalho em vigor até 2020, assinado esta semana entre a seguradora e as Comisiones Obreras, o sindicato com maior representatividade na empresa.

Segundo um comunicado de imprensa da empresa, “o novo acordo inclui a necessidade de impulsionar o direito à desconexão digital uma vez finalizada a jornada de trabalho”.

O acordo coletivo assinado é assim o primeiro de uma grande empresa em Espanha que reconhece “o direito a não estar conectado”, podendo os trabalhadores desligar o telemóvel profissional fora das horas de trabalho.

A diretora dos recursos humanos de AXA sublinhou no mesmo comunicado de imprensa que a empresa pretende “criar o melhor ambiente laboral possível” e que agora o acordo coletivo foi “melhorado” e tornado “mais inovador”.

A França, onde está a empresa mãe da AXA, foi o primeiro país a implementar esta alteração nas leis do trabalho.

Desde 1 de janeiro último que todas as empresas francesas com mais de 50 trabalhadores devem ter acordos negociados com os funcionários para fixar horários de ligação ao telemóvel e à internet.

A Volkswagen, na Alemanha, foi pioneira neste nesta área, ao estabelecer que entre as 18:15 e as 07:00 o correio eletrónico profissional deve ter o acesso bloqueado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Empresa espanhola reconhece o direito a desligar o telemóvel fora do horário de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião