PT: Adesão à greve de 19%? “Devem estar noutro país”

A PT diz que a adesão à greve fixou-se nos 19% até às 18h desta sexta-feira. Os sindicatos falam em 80% e, citando números da polícia, em cinco mil trabalhadores na rua.

Eram esperadas no mínimo 1.500 pessoas. Segundo os sindicatos contactados pelo ECO, a polícia falava em 5.000 pessoas. Da sede de Picoas até à residência oficial do primeiro-ministro, onde este não estava por causa do Conselho de Estado, seguiu o desfile da manifestação. A PT, que emprega cerca de 9.400 trabalhadores, diz que a adesão foi de 19%.

Em comunicado, a PT garante que os serviços prestados aos clientes foram “todos” assegurados. “Até às 18h de hoje a adesão [nacional] à greve foi de 19%“, indicou a empresa ao final da tarde desta sexta-feira. Ou seja, cerca de 1.800 trabalhadores. Em reação, o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisuais (SINTTAV), Manuel Gonçalves, diz que “devem estar noutro país”. “Isso só revela o que eles são”, critica.

“Esta foi uma greve sui generis”, classifica. Apesar de admitir que não foi possível apurar os dados com rigor, em declarações ao ECO, Manuel Gonçalves fala de uma adesão à greve fora de Lisboa na ordem dos 80%, reconhecendo que na capital a adesão foi menor por causa da concentração de quadros superiores. Na Madeira refere 98% e nos Açores 80%. “Ultrapassou as nossas expectativas, particularmente a manifestação“, assinala o sindicalista.

A mesma tese é confirmada pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom. Jorge Félix reconhece que em Lisboa a adesão foi menor, mas por causa da “pressão enorme” da própria empresa. Sobre números globais, Félix é mais cauteloso, referindo entre 60% a 70%, citando números da polícia de 5.000 trabalhadores na rua. “Esse número [19%] é uma tentativa de minimizar esta greve histórica, que juntou a UGT e a CGTP“, afirma ao ECO.

Este é o primeiro protesto de trabalhadores da PT a contar com a participação de todos os sindicatos da dona da Meo, juntando ainda a CGTP, a UGT, o PCP e o BE. A PT pôde garantir serviços mínimos nos termos da lei, mas foi acusada de estar a convocar trabalhadores de forma irregular.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PT: Adesão à greve de 19%? “Devem estar noutro país”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião