PT ativa “planos de contingência” para greve que sindicato prevê ter “forte adesão”

  • Lusa
  • 19 Julho 2017

A PT ativou os devidos planos de contingência perante uma greve que, diz o sindicato, deverá registar uma "forte adesão". Trabalhadores estão contra a transmissão de postos de trabalho.

A greve dos trabalhadores da PT, agendada para sexta-feira contra a transferência de funcionários para outras empresas, deverá ter “forte adesão”, disse à Lusa o sindicalista Jorge Félix, enquanto a operadora já ativou os “devidos planos de contingência”.

“Esta greve deverá ter uma forte adesão”, afirmou Jorge Félix, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom (PT), salientando que “há mais de 10 anos que a empresa não marcava uma greve conjunta de todos os sindicatos e Comissão de Trabalhadores”.

“A PT ativou os devidos planos de contingência e de redundância que nos permitirão assegurar técnica e humanamente todos os serviços que prestamos aos nossos clientes”, disse, por sua vez, fonte oficial da operadora à Lusa.

Em 30 de junho foi tornado público que a PT Portugal iria transferir 118 trabalhadores para empresa do grupo Altice – Tnord e a Sudtel – e ainda para a Visabeira, utilizando a figura de transmissão de estabelecimento, cujo processo estará concluído no final deste mês.

Antes, no início de junho, a operadora, comprada pelo grupo francês Altice há dois anos, tinha anunciado a transferência de 37 trabalhadores da área informática da PT Portugal para a Winprovit.

“O clima entre trabalhadores e a [equipa de] gestão tem vindo a degradar-se”, afirmou Jorge Félix, acrescentando que “os trabalhadores têm sérias dúvidas quanto ao futuro da Tnord e da Sudtel, já que são empresas de pequena dimensão e não se sabe qual é a sua capacidade financeira” daqui a um ano, altura em que terminam os direitos que os trabalhadores tinham na PT Portugal.

Ou seja, a transmissão de estabelecimento prevê que os trabalhadores transferidos mantenham os direitos durante 12 meses.

"A PT ativou os devidos planos de contingência e de redundância que nos permitirão assegurar técnica e humanamente todos os serviços que prestamos aos nossos clientes.”

Fonte oficial da PT

“É claro que há uma lacuna na lei”, já que não prevê “que os trabalhadores tenham a opção de se opor” a esta medida, afirmou o sindicalista.

“Não se sabe se estas empresas, com exceção da Visabeira, daqui a um ano poderão continuar a garantir os salários ou ter capacidade financeira”, continuou.

Além disso, “não existe um mecanismo que permita ao trabalhador regressar à PT Portugal”, disse Jorge Félix.

“Receamos que a empresa esteja a usar esta lei de uma forma subjetiva”, de forma a “reduzir custos” e transferir trabalhadores “para empresas que mais tarde poderão fazer despedimentos”, afirmou, recordando que recentemente o presidente do Conselho de Administração da PT Portugal, Paulo Neves, tinha admitido continuar a fazer mais transferências de trabalhadores para outras empresas, caso tal se justificasse.

“Além disso, é preciso recordar que há mais de 300 trabalhadores sem funções, uma situação que configura assédio moral, levando alguns trabalhadores a uma situação de desespero em que aceitam indemnizações de baixo valor”, acusou o sindicalista.

Perante isto, Jorge Félix estima que haja “uma forte adesão” à greve, nomeadamente porque “há a ideia” de que este tipo de iniciativas poderá afetar outras áreas da operadora de telecomunicações.

“A empresa já deu a entender que quer continuar nesta linha”, disse.

Nos últimos dias, os trabalhadores da PT Portugal têm realizado várias ações de protesto que culminam na próxima sexta-feira com a greve geral, que começa às 00h00.

Dos 118 trabalhadores sob regime de transmissão de estabelecimento, 96 trabalhadores são projetistas (desenham traçados de rede) e 22 são do Centro de Certificação Técnica de Torres Novas.

Do total de projetistas, 74 são transferidos para a Altice Technical Services (ATS), ficando divididos entre as empresas Tnord e a Sudtel, e os restantes 22 vão para o grupo Visabeira, antiga acionista da operadora e parceira histórica.

Já os 22 trabalhadores do Centro de Certificação Técnica vão para a ATS.

Durante a tarde de hoje decorrerá no parlamento um debate de atualidade sobre a “Privatização da PT, situação dos trabalhadores, concentração e domínio monopolista”, por iniciativa do PCP.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PT ativa “planos de contingência” para greve que sindicato prevê ter “forte adesão”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião