Claudia Goya: Conheça a nova líder da Meo

  • Marta Santos Silva
  • 18 Julho 2017

Esteve na Galp, passou pela Microsoft, e chega agora à Meo em clima de tensão social. Claudia Goya, desportista inveterada na juventude, traz na bagagem mais de 20 anos de experiência em gestão.

Claudia Goya tem mais de 20 anos de experiência em gestão.

Vai substituir Paulo Neves e já acumulou mais de 20 anos de experiência em posições de gestão e liderança, desde a Galp à Microsoft, onde fez grande parte da sua carreira. Claudia Goya, gestora portuguesa formada no Instituto Superior Técnico em Engenharia Física, chega agora à Meo, na altura em que a empresa — sob a alçada da Altice –, se vê a braços com uma reestruturação que está a agitar a paz social no seio da empresa.

Claudia Goya, de 45 anos, começou a sua carreira na Procter & Gamble, segundo uma nota biográfica enviada às redações pela Altice. Na multinacional norte-americana, Goya trabalhou durante sete anos em gestão de marcas globais de grande consumo, isto antes de avançar para a Galp Energia, em 2003.

Entre 2003 e 2008, a empresária destacou-se em posições de liderança na Galp, nomeadamente como diretora do negócio de retalho e diretora geral de lubrificantes. Mas foi na Microsoft que ganhou o maior renome quando, em 2008, se tornou general manager da Microsoft Portugal, durante os anos mais fortes da crise — entre 2008 e 2012 — como destaca no seu currículo na rede social LinkedIn.

Após este período, a gestora foi convidada para ser Chief Operating Officer (COO) da Microsoft Brasil, durante os últimos cinco anos.

De São Paulo, volta agora para Lisboa, para dirigir a Meo. Mas o regresso não se avizinha pacífico. Goya assume no imediato funções num quadro de exigência e tensão social numa das empresas que foi referência nos últimos anos em Portugal, mas que atravessa agora uma fase de reestruturação e reorganização interna — da qual também faz parte a nomeação de Paulo Neves para o cargo de chairman dos negócios da Altice em Portugal, que passará a incluir a TVI em breve.

Mais de uma centena de trabalhadores deverão ser transferidos para outras empresas do grupo Altice e, por causa do risco de perda de direitos com esta mudança, os sindicatos já convocaram uma greve para 21 de julho.

Por outro lado, o negócio da Altice com a compra da Media Capital colocou a PT Portugal no centro da discussão política. E por mais do que uma vez o primeiro-ministro manifestou algum desconforto com a estratégia e qualidade do serviço da empresa que tem como principal cliente o Governo. Os analistas já sublinharam que os ataques de António Costa à Altice poderão beneficiar outros operadores, nomeadamente a Nos.

“Assumo este compromisso com elevado sentido de responsabilidade e com o objetivo de elevar o estatuto da Portugal Telecom a referência mundial no setor“, referiu Claudia Goya nas primeiras declarações enquanto nova presidente executiva da PT Portugal.

Para Michel Combes, CEO do grupo Altice, Goya é a escolha certa: “Reforçará o nosso compromisso com a empresa e com Portugal através da inovação, do investimento em infraestruturas e da digitalização, permitindo, desta forma, disponibilizar aos portugueses a melhor experiência de serviço”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Claudia Goya: Conheça a nova líder da Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião