Como a IBM usa a blockchain para poupar tempo e dinheiro

O ECO falou com um responsável da IBM sobre blockchain, a tecnologia na base da moeda virtual bitcoin. Descubra como a IBM usa esta tecnologia nascida nos confins da internet.

Para Louis de Bruin, é tão simples quanto isto: esperar para ver o que vai acontecer com a massificação da blockchain “não é uma opção”. “É como as alterações climáticas: ignorá-la não vai travá-las”, diz o responsável da IBM Europa para este segmento, em entrevista ao ECO por email. “Todos deveriam começar agora mesmo a obter conhecimentos e experiência e a pensar em casos práticos onde a blockchain pode facilitar e simplificar negócios”, acrescenta.

A blockchain é a tecnologia que está por detrás da moeda virtual bitcoin. É como um livro de registos inviolável, a que todas as partes têm acesso em tempo real e de forma descentralizada. Porém, o que nasceu na moeda não tem de ser da moeda. Várias empresas estão a usar esta tecnologia para fazer muitas outras coisas, criando “novos modelos de negócio” que não eram possíveis com as tecnologias mais tradicionais.

Uma dessas empresas é a IBM. Mas antes de falarmos de como esta gigante está a alavancar esta tecnologia nova, tentámos perceber se Louis de Bruin partilha da ideia de que o dinheiro tradicional está condenado a desaparecer, face à emergência das moedas virtuais. Resposta rápida: não.

“As moedas virtuais têm alguns atributos que são como o dinheiro comum, outros semelhantes ao ouro e em alguns aspetos têm características que se assemelham aos sistemas de pagamentos. Mas elas são basicamente um ativo”, refere. Além do mais, a maioria destas moedas não foi criada com o intuito de substituírem as moedas que guardamos no fundo das nossas carteiras, refere Louis de Bruin. Por isso, “é pouco provável que as moedas virtuais venham a substituir o dinheiro tradicional como um todo”, sublinha o especialista.

Não se conhecer a origem de uma tecnologia nunca foi impedimento para não a abraçar: o facto de ninguém saber quem inventou a roda alguma vez impediu as fabricantes automóveis de produzirem carros?

Louis de Bruin

Blockchain leader da IBM na Europa

Uma blockchain para “simplificar processos”

Falemos de como a IBM está a usar a blockchain e, sobretudo, do porquê de uma gigante na vanguarda da computação cognitiva estar a apostar numa tecnologia criada nos recônditos da internet por alguém de quem nem sequer se sabe o nome. “Estamos a usar a blockchain para simplificar processos nos ecossistemas de negócio onde muitos parceiros interagem uns com os outros”, resume Louis de Bruin.

O que significa isso? Significa que a IBM trabalha com muitos parceiros diferentes que, numa situação normal, teriam de lidar entre eles de forma individual. Muitas das informações circulam entre esses mesmos parceiros através de intermediários. “Tudo isto custa tempo, dinheiro e resulta em erros e oportunidades para fraudes”, conta o responsável. “Se todos os parceiros tiverem um registo comum, que é a essência da blockchain, todos eles têm acesso imediato aos mesmos dados quando ficam disponíveis”, acrescenta. Por outras palavras, a IBM consegue reduzir custos, diminuir o tempo de processamento e prevenir erros.

“A origem da primeira blockchain, a bitcoin, surge envolta em mistério. No entanto, a blockchain é tudo menos misteriosa. Apesar de o conceito não ser simples, também não é física quântica. E não se conhecer a origem de uma tecnologia nunca foi impedimento para não a abraçar: o facto de ninguém saber quem inventou a roda alguma vez impediu as fabricantes automóveis de produzirem carros?”, questiona.

Louis de Bruin é responsável pelo segmento de blockchain na IBM para o mercado europeu.IBM Portugal

Por fim, o objetivo passa também por cruzar este potencial com o Watson, o sistema cognitivo no qual assenta agora grande parte da atividade da IBM. Se nunca ouviu falar, o Watson é uma tecnologia da IBM que aprende com o tempo e com a utilização. Existem já robôs alimentados por este algoritmo que, no fundo, fornece informação, faz deduções e é capaz de assimilar automaticamente novos conteúdos, assim como verbalizar diretamente com o utilizador.

“Tudo o que fazemos está relacionado com o Watson. A blockchain tem a ver com gerir grandes quantidades de transações e construir um rasto imutável para essas transações. O Watson é capaz de encontrar padrões no manancial de informação que estes registos contêm, fornecendo dados que não se conseguiriam obter [de outra forma]”, conclui o responsável da IBM. Uma forma diferente de usar a blockchain, muito para além do mundo da economia e da finança.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como a IBM usa a blockchain para poupar tempo e dinheiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião