Pasto, hortícolas e frutas mais afetados por seca, a seguir será vinha e olival

  • ECO
  • 24 Julho 2017

Representantes dos agricultores estão preocupados com a situação de seca que o país atravessa.

Todas as culturas estão já afetadas pela seca, principalmente pastagens, hortícolas e frutas sazonais, e, se não chover dentro de um mês, será também a vinha e o olival, defendeu a Confederação Nacional da Agricultura (CNA). Também o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) transmitiu preocupação com a falta de pasto e de água para os animais que já provocou perdas da totalidade da produção em algumas culturas.

“Estão já afetadas todas as culturas, especialmente as de primavera-verão, mas também as permanentes, como a fruta”, disse esta segunda-feira à agência Lusa João Dinis, da CNA, acrescentando que o interior é mais atingido. “Se continuar assim”, sem chuva, “mais um mês e a seca vai atingir também a vinha e o olival, apesar de atualmente estarem promissores”, adiantou ainda.

Quase no final de julho, o retrato que a CNA faz da situação de seca severa no território nacional, já reconhecida pelo Governo através de um despacho hoje publicado, reflete os problemas dos pastos e pastagens, que registam uma quebra de 80% relativamente ao “normal” para esta altura, produtos hortícolas criados ao ar livre e frutas sazonais, cuja produção pode descer para metade.

Também o presidente da CAP, citado pela Lusa, afirma que há “uma extraordinária preocupação e já existe prejuízo efetivo” devido ao decréscimo da produção e da qualidade, “com perdas que podem ir de 10% a 25% e, em algumas situações, pode ser 100%”, como no caso de alguns cereais que são utilizados para alimentar os animais, resumiu Eduardo Oliveira e Sousa.

No que respeita aos efeitos na produção animal, o presidente da CAP defendeu que “devia ser criada uma autorização especial” para os agricultores poderem conduzir os animais às barragens mais próximas para beber água, já que “uma situação de emergência requer medidas de emergência”. Realçou ainda que “há meses que há falta de pasto, secou com três meses de antecedência e os produtores, em vez de colherem os cereais, deram aos animais”, perdendo a totalidade destas culturas.

Também esta segunda-feira, a empresa gestora do Alqueva anunciou que vai facilitar o acesso de agricultores à água, nas infraestruturas do projeto, para abeberamento de gado e rega de emergência de culturas, devido à seca que afeta o Alentejo.

Num comunicado enviado à agência Lusa, a Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) refere que se trata de uma das medidas que implementou para “auxílio aos agricultores no combate à seca climatérica”, que “também afeta a área de influência do Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva (EFMA)”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pasto, hortícolas e frutas mais afetados por seca, a seguir será vinha e olival

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião