Travão no corte de 10% do subsídio de desemprego custou 1,8 milhões de euros

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 26 Julho 2017

Corte de 10% no subsídio de desemprego passou a ter novos limites em junho, protegendo prestações mais baixas. A medida teve um impacto de 1,8 milhões de euros nesse mês.

O travão ao corte de 10% nos subsídios de desemprego mais baixos chegou ao terreno em junho e custou, nesse mês, 1,8 milhões de euros à Segurança Social. Ainda assim, o gasto global com o conjunto de prestações de desemprego continuou em queda face a 2016. Os dados constam da execução orçamental da Segurança Social de junho.

De acordo com o documento, a despesa registada em junho com prestações de desemprego “inclui cerca de 1,8 milhões de euros por aplicação do Decreto-Lei n.º 53-A/2017, de 31 de maio”. Foi este diploma que passou a garantir que o corte de 10% aplicado depois de seis meses de pagamento de subsídio de desemprego — introduzido em abril de 2012 — não pode dar origem a uma prestação de valor inferior ao Indexante dos Apoios Sociais (IAS), que, em 2017, corresponde a 421,32 euros.

A medida entrou em vigor em junho e, tal como o ECO noticiou, abrangeu nesse mês, 70.636 pessoas, ao mesmo tempo que o subsídio médio avançou cerca de 25 euros. E sabe-se agora que custou 1,8 milhões de euros.

Ainda assim, a despesa global com prestações de desemprego (incluindo nomeadamente subsídios sociais) caiu 12,7% no conjunto dos primeiros seis meses do ano, para 694 milhões de euros. Mesmo olhando apenas para o mês de junho, é possível perceber que o gasto foi inferior ao verificado no mesmo período do ano passado.

A redução da despesa acompanha a quebra sentida no número de beneficiários de prestações de desemprego. Só no caso do subsídio de desemprego, foram pagas prestações a 151,8 mil pessoas, sendo preciso recuar a abril de 2003 para encontrar um valor mais baixo. Tudo isto num cenário em que também o desemprego está a cair.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Travão no corte de 10% do subsídio de desemprego custou 1,8 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião