Número de desempregados inscritos no centro de emprego continua em queda

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 19 Julho 2017

No final de junho estavam inscritos 418,2 mil desempregados, um número que já recua há 45 meses. Este continua a ser o valor mais baixo desde final de 2008, depois de maio ter atingido essa marca.

O número de inscritos nos centros de emprego continua a recuar. Em junho, o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) contava com 418.189 desempregados, um valor que continua a ser o mais baixo em mais de oito anos.

É preciso recuar a dezembro de 2008 para encontrar um número inferior, marca que já tinha sido conseguida em maio, quando o total de desempregados registados caiu para 432.274. Em junho, a tendência de quebra mantém-se, já que os cerca de 418 mil inscritos representam uma descida mensal de 3,3% e homóloga de 18,3%. Face ao mesmo período do ano anterior, este já é o 45º mês consecutivo de descidas.

Olhando apenas para o número de pessoas que se registaram no centro de emprego ao longo do mês de junho, os números também revelam uma descida: 41.206 desempregados inscreveram-se naquele mês, menos 5,4% em termos mensais e menos 16,75% face ao mesmo mês de 2016.

Menos desempregados, mais ocupados

Nem todos os inscritos nos centros de emprego são considerados desempregados. Também existem empregados que querem mudar de trabalho, ocupados e pessoas indisponíveis temporariamente por motivos de doença. Estes dois últimos grupos registam aumentos homólogos.

Os ocupados são pessoas que estão integradas em programas de formação ou emprego (exceto os que visam integração direta no mercado de trabalho). No final de junho, existiam quase 101 mil pessoas nesta situação, o que representa uma subida de 2,4% face ao mesmo mês de 2016, ainda que esteja em causa uma descida em cadeia de 2,5%. Por seu turno, os quase 24 mil indisponíveis temporariamente também aumentaram tanto em termos mensais (3,7%) como homólogos (3,3%).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de desempregados inscritos no centro de emprego continua em queda

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião