Descontos para poupar nos livros escolares

Aproveitar as campanhas promocionais permite poupanças mínimas de 10% na compra de livros escolares. Optar por manuais usados também ajuda a cortar na fatura do próximo ano escolar. Saiba onde e como.

Ainda a maior parte dos portugueses não foi a banhos e muitos já estão a contas com a compra de livros e material escolar. Se tem filhos em idade escolar e ainda não se dispôs a olhar para a lista do material necessário para o próximo ano letivo, é conveniente que o faça o mais cedo possível. Uma coisa pode já ter a certeza: a fatura só com os livros escolares deverá ultrapassar os 100 euros.

Mas se encomendar com antecedência os livros e o material escolar necessário, pode conseguir poupar algum dinheiro. Aproveitar as campanhas promocionais das editoras e das grandes cadeias retalhistas pode render poupanças mínimas de 10% do valor total do livros, mas estas podem ser superiores e abranger também o restante material escolar. O ECO apresenta-lhe as principais campanhas promocionais em vigor, mas também outras soluções alternativas para conseguir poupar no recheio da mochila dos mais jovens.

Uma das principais novidades deste ano é o facto de todos os alunos que frequentam o ensino básico terem direito a livros escolares gratuitos. Mas atenção. Esta gratuitidade é exclusiva aos alunos do ensino público. Os restantes vão continuar a ter de pagar pelos seus livros. O mesmo acontecerá com os alunos das restantes fases de ensino.

Esses estudantes podem contar uma fatura para os livros que deverá ultrapassar os 100 euros. De acordo com os cálculos da Comissão do Livro Escolar da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), o cabaz médio do ensino secundário para o ano letivo 2017/2018 é o mais caro, com um valor a rondar os 173,6 euros. No 1.º ciclo (do 1.º ao 4.º ano letivo) o preço médio do cabaz anual ronda os 35 euros. Já no 2.º ciclo (5.º e 6.º anos de escolaridade) o valor médio do cabaz é de 97,2 euros, enquanto no 3.º ciclo (do 7.º ao 9.º ano de escolaridade) ronda os 162 euros.

Fazer do velho novo

Tendo em conta o elevado peso que a compra dos livros escolares pode assumir sobre os orçamentos familiares, uma das formas de suavizar esse impacto é recorrer ao financiamento. Mas nem todas as famílias têm capacidade para suportar os custos associados ou sequer o querem fazer. Mas há alternativas: trocar o novo pelo velho é uma delas. Ou seja, em vez de comprar os livros novos recorrer aos livros usados, comprando-os a outros pais através de sites como o OLX, o CustoJusto.pt.

Pode também optar por plataformas como o Sítio da Troca ou a Book in Loop, onde para além de poder comprar livros usados, também pode vender os livros do ano anterior. Se o objetivo for não gastar dinheiro também pode recorrer à Reutilizar, um movimento que promove a reutilização dos manuais escolares através da divulgação dos bancos de recolha e partilha de livros distribuídos por todo o país.

À boleia dos descontos

Para quem não pretenda trocar o novo pelo velho, a solução para poupar alguns euros é ir à caça das promoções. E neste âmbito há bastante por onde escolher. Da Bertrand à Leya, passando pela Wook, Fnac, até ao Continente, Jumbo, El Corte Inglés e Staples, são várias as campanhas lançadas de modo a permitir que os pais consigam algumas poupanças na compra dos livros para os filhos. Em comum, oferecem um desconto imediato de pelo menos 10%, na quase totalidade das situações. Mas esse desconto pode ser superior, com as taxas mais elevadas a serem para o material escolar.

Mas tenha em atenção as datas limite para beneficiar desses descontos, que na maioria dos casos vai até meados de agosto. Na generalidade dos casos são também oferecidos os portes dos correios para a entrega dos livros e material escolar no destino escolhido. Algumas também permitem comprar os livros com recurso ao financiamento, sem que sejam cobrados juros em alguns casos. Abaixo saiba o que oferece cada uma das sete campanhas analisadas.

Bertrand oferece desconto de 10%

Nas encomendas efetuadas até 15 de agosto através do seu site, a Bertrand oferece um desconto imediato de 10% no valor da fatura dos livros escolares. O mesmo desconto abrange ainda cadernos de atividades e/ou acessos digitais. Os livros são entregues de forma gratuita no local indicado pelo cliente, desde que a encomenda respeite uma quantidade mínima de livros do mesmo ano. Mais em concreto: três manuais ou cadernos de atividades no 1º ciclo, quatro manuais do 2º ciclo, seis manuais do 3º ciclo e três do secundário.

Wook dá 10% nos livros e até 15% no apoio escolar

Na Wook.pt a campanha de regresso às aulas permite obter um desconto de 10% com os livros escolares que sejam encomendados até 14 de agosto. A plataforma disponibiliza ainda um desconto imediato de 10% na compra de livros de apoio escolar, sendo atribuído ainda o equivalente a 5% da faturação em cartão Wookmais, valor que pode ser utilizado em aquisições futuras na Wook. A plataforma permite ainda o pagamento faseado em três vezes sem juros. Os portes de envio dos livros escolares são grátis desde que se trate de uma “encomenda completa”. Ou seja, que contenha uma quantidade mínima de manuais respeitante ao mesmo ano de ensino: quatro no 2º ciclo, seis no 3º ciclo e três no secundário. Para encomendas do 1º ciclo, o mínimo são três manuais, ou cadernos de atividades.

Na Staples, o desconto é de 10%

Quem adquirir os livros escolares através do site da Staples beneficia de um desconto direto de 10% sobre o preço de venda ao público. Esta campanha é válida em compras efetuadas até ao dia 26 de agosto. Os portes da entrega dos livros são gratuitos.

Continente dá 10%, mas no cartão

No Continente, as compras de livros escolares através da plataforma online beneficiam de um desconto de 10%, que é acumulado no saldo do Cartão Continente. Ou seja, apenas os clientes que tenham esse cartão usufruem desse desconto que é válido para encomendas de manuais efetuadas até 21 de agosto. Se levantar os livros na loja não terá qualquer custo, mas o mesmo não acontece nas entregas ao domicílio. A única exceção é se tiver aderido ao “EntregaZero”, o programa de entregas do Continente que por 26,9 euros não aplica custos adicionais em entregas de compras ao domicílio por um prazo de 100 dias.

Desconto no Jumbo vai até 15%

Os livros escolares adquiridos através do site do Jumbo beneficiam de um desconto que pode chegar aos 15%. Existe um desconto imediato de 10% sobre o preço de venda ao público do editor. Mas se a compra for feita com cartão de crédito Jumbo (TAEG de 16,3%) é adicionado um desconto de 5%. Esta campanha é válida para reservas de livros efetuadas até 9 de agosto. Pode ainda optar pela modalidade de pagamento por três vezes sem juros, condições que são válidas para compras de valor superior a 75 euros em qualquer categoria de produtos do Jumbo.

El Corte Inglés desconta 10% que rumam ao cartão

A campanha de reservas de livros escolares no El Corte Inglés arrancou em junho e decorre até ao final de setembro. É oferecido um desconto de 10% sobre o valor dos livros adquiridos que são carregados em saldo num cartão que que poderá ser usado para comprar material escolar, à exceção de livros. Além desse desconto, também disponibiliza uma campanha de descontos de 15% sobre o valor dos uniformes de colégios, válida até 31 de julho. Para adquirir qualquer destas categorias de produtos, o El Corte Inglés disponibiliza uma campanha de financiamento que permite pagar em seis meses sem juros despesas acima de 200 euros.

Fnac dá 10% de desconto e vale até 20%

Nas compras de livros escolares efetuadas até 13 de agosto, a Fnac dá um desconto imediato de 10%. Caso a compra supere os 35 euros, é dado um vale de 20% do respetivo valor no caso dos aderentes ao cartão Fnac, enquanto os não aderentes terão direito a um vale de 10%. Estes vales podem ser utilizados em gastos de papelaria e livros de apoio escolar (não inclui gramáticas, dicionários ou métodos de línguas e conversação). O vale será enviado por email até seis dias úteis após pagamento da encomenda, para clientes que aceitarem receber comunicação via email, para utilização até 31 de outubro deste ano. Para compras acima de 155 euros, feitas com cartão de crédito Fnac, é possível fasear o respetivo pagamento por quatro vezes sem juros. Os portes de entrega dos livros são gratuitos.

De 10% nos livros e 20% no apoio escolar

Na Leya online é atribuído um desconto direto de 10% sobre o preço de aquisição dos livros escolares, numa campanha que está em vigor em reservas efetuadas até ao dia 14 de agosto. Para além disso, a aquisição de material de apoio escolar beneficia de um desconto de 20% também no preço de venda ao público. Não são cobrados portes de envio em encomendas cujo valor seja superior a 100 euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Descontos para poupar nos livros escolares

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião