A última ‘contratação’ do Porto é alemã. E é um autocarro

  • ECO
  • 1 Agosto 2017

Tem dois andares, mas não é nenhum jogador de dois metros. A nova contratação do Futebol Clube do Porto veio da Alemanha e é um autocarro que tem uma cozinha e um mesa de reuniões no interior.

O autocarro apresentado este domingo no Estádio do Dragão foi encomendado pelo clube ao grupo alemão MAN Track & Bus, através da marca Neoplan Skyliner. Depois de apresentarem equipamentos, cachecóis e outro tipo de merchandising, foi a vez de um autocarro inovador, reivindica o clube, ser apresentado aos adeptos, como se de um novo jogador se tratasse.

Esta é a nova aposta para a época de 2017/2018 que está prestes a começar. Segundo a empresa, este autocarro “luxuoso” foi construído de raiz no MAN Bus Modification Center. O veículo tem dois pisos e a capacidade para 20 elementos sentados no piso superior. No interior há uma cozinha, dois frigoríficos e um uma mesa de reuniões para os jogadores e a equipa técnica.

O design foi encomendado a um adepto. Bruno Sousa foi o responsável por transformar as sete conquistas internacionais do Futebol Clube do Porto em imagem. Além isso, existe um oitavo desenho que representa o presente e o futuro do clube.

“O autocarro está equipado com os mais recentes e inovadores sistemas de assistência, incluindo sistema de assistência à travagem de emergência (EBA), controlo dinâmico de condição (ESP), sistema de manutenção na faixa de rodagem (LGS), e ainda os absorventes de impacto controlados eletronicamente MAN ComfortDriveSuspension (CDS)”, indica o Porto em comunicado.

Segundo o cube, o autocarro tem um motor common-rail a diesel de seis cilindros, com 12.5 litros e 500 CV, estando capacitado por uma caixa de velocidades automática.

Segundo o site da empresa, o grupo opera em mais de 180 países e emprega 53.824 trabalhadores. Em 2016, a empresa gerou receitas de 13,6 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A última ‘contratação’ do Porto é alemã. E é um autocarro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião