FESAP quer garantir que aumento do subsídio de refeição não é tributado em 2018

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 1 Agosto 2017

Medida só está prevista para este ano, mas federação sindical que garantir que o Governo não renova a solução no próximo orçamento.

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) quer garantir que o aumento do subsídio de refeição que chega este mês ao terreno não vai continuar a ser tributado em 2018.

Depois de uma subida de 25 cêntimos em janeiro, o subsídio de refeição pago aos funcionários públicos volta agora a aumentar na mesma medida. Porém, este segundo aumento — de cinco euros mensais tendo em conta 20 dias úteis de trabalho — vai ser sujeito a IRS e a descontos para a Segurança Social ou Caixa Geral de Aposentações. Estando a medida prevista no Orçamento do Estado para 2017, aplica-se apenas este ano. Ainda assim, o líder da FESAP, José Abraão, teme que o Governo “se habitue a essa receita” e não queira abdicar do montante no próximo ano, conforme explicou ao ECO. Isto apesar de acreditar que a medida terá pouco impacto nos cofres públicos.

Num comunicado enviado às redações, a FESAP define esta solução como um aumento “envenenado”. E avisa que “exigirá o seu fim nas negociações do Orçamento de Estado de 2018”.

“A FESAP considera que a tributação sobre o aumento de 25 cêntimos no subsídio de refeição não faz qualquer sentido, passando para €4.77 a partir de hoje, uma vez que a atualização é irrisória e só aumentará a carga fiscal dos trabalhadores da Administração Pública, esperando que esta medida não sirva para os trabalhadores se irem habituando à ideia que terá de ser tributado, ficando claro que o Governo pretende dar com uma mão e retirar com a outra”, avança o comunicado.

De acordo com a federação, os trabalhadores “terão de descontar 11% para a Segurança Social / CGA e 15% de retenção na fonte em média”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FESAP quer garantir que aumento do subsídio de refeição não é tributado em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião