Venezuela: Supremo Tribunal justifica detenções com “risco de fuga”

  • Lusa
  • 1 Agosto 2017

Os líderes da oposição venezuelana regressaram à prisão militar. A existência de alegados preparativos de fuga justificaram a decisão do Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela.

O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) da Venezuela justificou hoje a condução coerciva de dois dirigentes da oposição para uma prisão militar por alegados preparativos de fuga, segundo os serviços de inteligência do país.

A prisão domiciliária de Leopoldo López e Antonio Ledezma, dirigentes da oposição venezuelana, foi revogada pelo STJ, tendo os dois sido retirados hoje de madrugada das suas casas.

Em comunicado, o STJ diz ter recebido “por fontes de inteligência oficial (serviços secretos), informações que dava conta de um plano de fuga desses cidadãos, pelo que, e com a urgência do caso, se ativaram os procedimentos correspondentes”.

“De destacar que as condições impostas a (Leopoldo) López não permitiam realizar nenhum tipo de campanha política, devido à sentença que pesa contra sim”, salienta o STJ.

No caso de Antonio Ledezma, foi-lhe imposta a obrigação de se abster de emitir declarações, sob pena de revogação da pena atribuída, recorda o STJ.

Leopoldo López e Antonio Ladezma foram novamente colocados na prisão militar de Ramo Verde, nos arredores de Caracas, de onde tinham saído recentemente para cumprir as penas em prisão domiciliária.

O advogado de defesa de López, fundador do partido Vontade Popular (VP, centro-esquerda), disse à emissora privada Circuito Êxito que, na madrugada de hoje, tinham podido confirmar que o opositor foi levado para aquela prisão, acrescentando que espera poder vê-lo ainda hoje, por se tratar de “dia de visita legal”.

Por sua parte, Mitzy Capriles, a mulher de Ledezma (Aliança Bravo Povo – ABP) assegurou, numa conferência de imprensa em Madrid, que os advogados do autarca de Caracas também haviam confirmado o mesmo local de detenção.

Dirigentes de Vontade Popular e de ABP responsabilizaram o Presidente, Nicolás Maduro, pela integridade física dos dois dirigentes da oposição.

Poucas horas antes, o líder do ABP tinha recusado a proposta do chefe de Estado que pedia para a oposição concorrer às próximas eleições locais, previstas para o final do ano.

“Não imagino ninguém que seja leal à luta a inscrever-se, numa fila indiana, para esse Conselho Nacional Eleitoral (CNE), já aguentamos muito com esta CNE que foi protagonista, no domingo, de uma fraude grosseira”, disse Ladezma através das redes sociais, pouco antes de ser levado para parte incerta pelos serviços de informações.

Ladezma foi detido em fevereiro de 2015, depois de ter sido acusado de conspiração.

Após dois meses na prisão militar de Ramo Verde foi-lhe atribuída “uma medida cautelar que substitui a liberdade” e, por motivos de saúde, foi-lhe atribuído o regime de prisão domiciliária.

Ladezma ainda não foi condenado, quase dois anos e meio depois da detenção.

López esteve na mesma prisão militar durante três anos, onde foi torturado várias vezes, segundo denunciaram os advogados do membro da oposição.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venezuela: Supremo Tribunal justifica detenções com “risco de fuga”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião