Dortmund acelera 8% depois da venda de Neymar. Vem aí novo negócio de milhões?

  • Juliana Nogueira Santos
  • 7 Agosto 2017

As ações do clube alemão somam ganhos desde os rumores da transferência de Neymar para o PSG. Estará para breve um negócio de milhões entre o Barcelona e o Dortmund?

As ações do clube alemão Borussia Dortmund estão em alta desde o negócio de 222 milhões de Neymar. Os rumores da venda do ponta de lança brasileiro ao Paris Saint German (PSG) começaram no passado dia 2 e, desde esse dia, o Dortmund já acumulou ganhos de 8% em bolsa. Mas, se Neymar saiu do FC Barcelona para o PSG, como é que o Dortmund está a ganhar?

Na calha pode estar um novo negócio de milhões, desta vez favorável ao clube alemão. Segundo avançou este fim de semana o L’Equipe, o FC Barcelona poderá utilizar 100 milhões dos 222 que recebeu por Neymar para comprar o seu substituto ao Dortmund. O escolhido será Ousmane Dembélé.

No ano passado, o Borussia comprou Dembélé por 15 milhões de euros. Se a compra se efetivar, resultará numa valorização de mais de 600% do jogador, que, na época passada, marcou seis golos, assistiu 12 e fez parte da equipa do ano da liga alemã. As ações do Dortmund fecharam a sessão desta segunda-feira a valorizarem 2,97% para 6,44 euros.

Negócio de Neymar rodeado de perguntas

A venda de Neymar ao PSG por 222 milhões de euros — o valor da sua clausula de rescisão — bateu recordes, tendo sido considerada a mais cara da história do futebol profissional. Com ela surgiram também várias questões em relação ao cumprimento das regras de fair play financeiro.

Segundo o site da UEFA, “em termos rigorosos, os clubes podem gastar até mais cinco milhões de euros do que ganham por período de avaliação (três anos)”. Contudo, existe margem para exceder este limite, “se ele estiver inteiramente coberto por uma contribuição/pagamento por parte do(s) dono(s) do clube ou entidade envolvida”, para não acumular dívida insustentável. Para a época de 2017/2018, o limite é de 30 milhões de euros.

Questionado pela agência noticiosa espanhola EFE, o responsável da UEFA pelo fair play financeiro, Andrea Traverso, considerou esta semana que “o impacto potencial da contratação de Neymar pelo PSG terá efeitos na economia do clube durante anos”. Contudo, ressalvou que “é complicado avaliar este tipo de operação, uma vez que a UEFA desconhece os planos do clube”.

Para não restarem dúvidas, o clube catalão decidiu levar perante os responsáveis da UEFA todos os detalhes do negócio para que, segundo fontes do próprio, “possam apurar as responsabilidades disciplinares que possam derivar deste caso”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dortmund acelera 8% depois da venda de Neymar. Vem aí novo negócio de milhões?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião