Governo da Madeira envia carta a companhias aéreas a pedir rapidez

  • Lusa
  • 7 Agosto 2017

Secretário regional da Economia, Turismo e Cultura apelou às companhias aéreas para disponibilizarem mais voos, em aeronaves com capacidade para transportar mais passageiros.

O secretário regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, apelou esta segunda-feira às companhias aéreas para que reforcem as operações para esta ilha, visando o “eficaz escoamento” dos passageiros ainda retidos nesta região.

Uma informação divulgada na Madeira refere que o governante madeirense enviou uma missiva às companhias aéreas sensibilizando para “o mais rápido e eficaz escoamento dos passageiros que ainda se encontram retidos no Aeroporto da Madeira – Cristiano Ronaldo, assim como a chegada de novos passageiros ao destino”.

O Aeroporto da Madeira – Cristiano Ronaldo esteve condicionado devido ao forte vento desde a passada sexta-feira, o que provocou, segundo a ANA – Aeroportos de Portugal, o cancelamento de 101 voos, uma situação que afetou cerca 15 mil passageiros.

Este responsável do executivo madeirense menciona que “os transtornos e constrangimentos associados à inoperacionalidade desta infraestrutura, devida aos ventos fortes que se fazem sentir há três dias, só têm vindo a ser minimizados graças ao empenho e à colaboração de todas as entidades públicas e privadas”. Acrescenta ainda a importância do “recurso às infraestruturas aeroportuárias e portuárias existentes na Madeira e no Porto Santo”.

[Apelo] às companhias aéreas responsáveis pela maior parte dos movimentos para que seja equacionada a possibilidade de serem disponibilizados voos extraordinários, eventualmente em aeronaves de maior dimensão.

Eduardo Jesus

Secretário regional da Economia, Turismo e Cultura da Madeira

Por isso, neste esforço coletivo, para minimizar os problemas causados aos passageiros afetados e em beneficio da imagem deste destino turístico, Eduardo Jesus apela “às companhias aéreas responsáveis pela maior parte dos movimentos para que seja equacionada a possibilidade de serem disponibilizados voos extraordinários, eventualmente em aeronaves de maior dimensão”.

Considera que contribuiria para “com a maior celeridade possível” conseguir dar “resposta aos passageiros, da melhor forma, em complemento às alternativas que têm vindo a ser encontradas a outros níveis e contando com o envolvimento de todos”.

“A resposta aos passageiros foi, desde o primeiro momento, prioritária”, escreveu o governante insular, concluindo que “aguarda que também as companhias aéreas possam fazer parte da “solução conjunta” que tem sido dada.

A mesma nota aponta que as previsões permitem antever que “a normalidade regresse ao Aeroporto da Madeira – Cristiano Ronaldo, a partir de terça-feira e até à próxima quarta-feira”.

De acordo com a página da ANA – Aeroportos de Portugal, esta segunda-feira foram canceladas 15 chegadas e 18 partidas, tendo até cerca das 17h00 aterrado 17 aviões e descolado o mesmo número de aeronaves.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo da Madeira envia carta a companhias aéreas a pedir rapidez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião