Lesados do Banif reúnem-se com CMVM no dia 16

  • ECO
  • 7 Agosto 2017

Os lesados querem pressionar a CMVM para que esta exija ao Banif e ao Santander a entrega de documentação sem a qual não pode concluir se houve, ou não, venda fraudulenta de produtos financeiros.

A Associação dos Lesados do Banif (Alboa) vai ser recebida pelos responsáveis da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no dia 16 deste mês. A informação é avançada pelo Expresso e foi confirmada pelo ECO. As duas partes vão discutir as reclamações entregues à CMVM pelos lesados, que se queixam de venda fraudulenta.

A reunião é marcada depois de, na semana passada, António Vieira Monteiro, presidente executivo do Santander Totta, ter dito que o banco que ficou com os ativos do Banif não tem obrigação de ressarcir os lesados. “Porque é que seremos nós a ter de pagar aquilo que não fizemos?”, questionou o banqueiro, lembrando que foi por “decisão pública” que os obrigacionistas subordinados fossem retirados da proposta apresentada pelo Santander Totta.

Recorde-se que o Santander comprou um conjunto de ativos do Banif (incluindo depósitos, contratos de crédito, títulos e agências) por 150 milhões de euros, no final de 2015. Na sequência desta medida de resolução, os obrigacionistas subordinados do Banif avançaram com reclamações, junto da CMVM, acusando o Banif de ilegalidades na comercialização de instrumentos financeiros. Em junho deste ano, a CMVM já tinha recebido quase mil reclamações envolvendo o Banif.

Contudo, o regulador do mercado exige ter acesso a uma série de documentos para poder analisar estas queixas. Cabe agora ao Santander entregar estes documentos ao Banif S.A., para que este possa reencaminhá-los para a CMVM, mas o banco liderado por Vieira Monteiro ainda não o fez.

É sobre estas reclamações que a reunião entre a Alboa e a CMVM irá debruçar-se. Segundo o Expresso, os lesados pretendem pressionar o regulador para que este exija aos bancos a documentação em falta, sem a qual a CMVM não poderá concluir se houve, ou não, venda fraudulenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados do Banif reúnem-se com CMVM no dia 16

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião