Banif não encontra dossiers de investimento de alguns clientes

  • ECO
  • 20 Maio 2017

Em causa estão dossiers de investimento dos obrigacionistas que são essenciais para a CMVM avaliar as queixas que já recebeu, avança o Público.

O Banif não consegue encontrar parte dos documentos de clientes que subscreveram obrigações subordinadas do banco, o que dificulta o trabalho da CMVM no que respeita à avaliação das queixas recebidas de investidores que se consideram lesados, avança o Público (acesso condicionado) neste sábado, citando fontes do setor financeiro.

Nos últimos meses o Banif recebeu da CMVM dezenas de pedidos de acesso a processos de investidores de obrigações subordinadas que foram emitidas pela instituição antes da recapitalização pública a 31 de dezembro de 2012, mas também nos três anos que se seguiram até ao colapso do banco. Nas mãos de Bracinha Vieira, o responsável que o Banco de Portugal (BdP) encarregou de liquidar o Banif mau, estarão cerca de duas centenas de reclamações de investidores que alegam ter-lhes sido vendidos aos balcões da instituição títulos de dívida em condições que podem configurar, nomeadamente, uma situação de misselling. Ou seja, um produto vendido sem o respeito da avaliação se este se adequava ao perfil do cliente, o que é ilegal.

Segundo avança o Público, o Conselho de Administração liderado por Bracinha Vieira continua a desenvolver diligências para tentar recolher toda a documentação confidencial para a poder reencaminhar para a CMVM, de modo a que o supervisor possa avaliar o que se passou com a venda da dívida do banco. É que, apesar de o liquidatário já ter dado resposta a cerca de metade dos pedidos, este continuará sem saber onde param muitos dos dossiers.

Uma fonte não oficial do Banco de Portugal citada pelo Público refere que, não estando a documentação no Banif, onde devia estar, ou estará perdida nas outras entidades envolvidas na resolução [Oitante e Santander] ou, na pior das hipóteses, pura e simplesmente terá desaparecido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banif não encontra dossiers de investimento de alguns clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião