Lesados do Banif vão entregar mil reclamações na CMVM esta terça-feira

  • Lusa
  • 10 Abril 2017

A associação de lesados do Banif entrega esta terça-feira mil queixas na CMVM, com a intenção de que o regulador conclua que houve vendas enganosas ou fraudulentas aos balcões da instituição.

A associação que representa os lesados do Banif (ALBOA) entrega esta terça-feira mil reclamações de clientes na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), com o objetivo de provar que houve venda fraudulenta de produtos pelo banco. As reclamações feitas são de clientes do Banif em Portugal (sobretudo na Madeira e nos Açores, onde o banco era muito forte), mas também de lesados que vivem nas comunidades portuguesas no estrangeiro, nomeadamente na Venezuela, e serão entregues na tarde desta terça-feira na sede do regulador dos mercados financeiros, em Lisboa.

O objetivo é que as reclamações sirvam de suporte para que CMVM emita um parecer de que houve no Banif uma “operação global de ‘misseling’” no Banif, ou seja, de que houve vendas enganosas ou fraudulentas. A ALBOA estima que há 3.500 clientes lesados pelo Banif que perderam 265 milhões de euros em investimentos de produtos no banco e esperam que esta ação impulsione o encontrar de uma solução para os seus casos.

A associação considera que os produtos foram vendidos usando argumentos enganosos, como o de que o Banif era do Estado (quando este tinha, de facto, a maioria do capital), o que dava garantia extra sobre os produtos, existindo também situações em que era dito aos clientes que havia uma garantia da CMVM ou que eram como depósitos a prazo, mas com juros mais altos.

O Banif foi alvo de resolução em dezembro de 2015 por decisão do Governo e Do Banco de Portugal, com a venda da atividade bancária ao Santander Totta por 150 milhões de euros e a criação da sociedade-veículo Oitante para a qual foram transferidos os ativos que o Totta não comprou. Continua a existir ainda o Banif, agora ‘banco mau’, no qual ficaram os acionistas e os obrigacionistas subordinados, que provavelmente nunca receberão o dinheiro investido.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lesados do Banif vão entregar mil reclamações na CMVM esta terça-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião