Popular pode recorrer a aumento de capital

O presidente do Banco Popular avisou hoje os acionistas que a instituição poderá ter que recorrer a um aumento de capital para resolver as graves dificuldades. Um processo de fusão é também hipótese.

“Vale a pena lutar pelo Popular”. Foi desta forma que o presidente do Banco Popular anunciou, esta manhã, durante a assembleia geral de acionistas, que o banco poderá está à beira de um aumento de capital ou de participar numa fusão. O objetivo é resolver as graves dificuldades do grupo.

Emilio Saracho, segundo escreve hoje o jornal espanhol Expansión, adiantou que o “diagnóstico é unânime, estamos condenados a ampliar o capital“. Para o presidente do Popular, “primeiro há que definir as necessidades de capital e as características da operação, que deverá ser explicada em profundidade, depois de decidir a magnitude e o momento de executá-la”.

Saracho afirma mesmo: “Não acredito na geração de capital mediante estruturas complexas”, para acrescentar: “sei que necessitamos de capital, o montante vai depender de como iremos vender os ativos e como evolua o negócio”.

"sei que necessitamos de capital, o montante vai depender de como iremos vender os ativos e como evolua o negócio”

Emilio Saracho

Presidente do Banco Popular

Mas o aumento de capital não é a única hipótese que Saracho tem sobre a mesa: a participação do banco num processo de fusão é também uma alternativa. Saracho reconhece que uma operação destas só será analisada na ótica de criação de riqueza para o acionista.

“Posso assegurar que não vamos gerir o banco para o preparar para uma fusão. Não devemos depender de terceiros. O nosso plano deve estar nas nossas mãos”, referiu.

“Merece a pena lutar pelo Popular. Definitivamente sim, mas acredito que devemos tomar medidas rápidas e decisivas. Ainda que sejam difíceis, não podemos arranjar desculpas nem sentimentalismos”, afirmou Emílio Saracho.

A assembleia geral de acionistas aconteceu depois de, na semana passada, o banco ter reconhecido que teria de fazer ajustamentos nas contas do exercício de 2016 e de ter assistido à demissão do presidente executivo do banco, Pedro Larena.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Popular pode recorrer a aumento de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião