Exuberância nas bolsas? Não. BCE diz que estão baratas

  • ECO
  • 8 Agosto 2017

As bolsas europeias estão a valorizar. Há máximos, mas não há otimismo desmesurado por parte dos investidores. O BCE não vê risco de bolhas. Diz até que as ações estão baratas.

As bolsas sobem, sobem e sobem. Há um otimismo desmesurado por parte dos investidores? Nem por isso. Quem o diz é o Banco Central Europeu (BCE), que defende que o comportamento positivo dos mercados acionistas no Velho Continente não é excessivo — não há bolha. Reflete essencialmente o crescimento dos resultados das empresas, animadas pela recuperação da economia. As ações até estão baratas.

“Atendendo à média histórica, o prémio de risco das bolsas europeias é elevado, o que quer dizer que os ativos não estão caros”, refere o banco central liderado por Mario Draghi no seu último boletim económico, citado pelo Expansión.

Neste documento, o BCE compara esta variável, a do prémio de risco dos mercados — medido através do diferencial entre as ações e os ativos sem risco — com a expectativa em termos de remuneração acionista por parte das empresas cotadas. E conclui que os investidores estão a ser remunerados em consonância com o risco adicional assumido ao estarem expostos ao risco das ações.

Atendendo à média histórica, o prémio de risco das bolsas europeias é elevado, o que quer dizer que os ativos não estão caros.

BCE

O BCE recua alguns anos para suportar a sua perspetiva de que a valorização registada nos mercados acionistas europeus não é preocupante. Diz que o prémio de risco das bolsas, em plena bolha, estava em 2,5%, sendo que após a queda do Lehman Brothers passou para os 8%. Atualmente está em 7,8%.

Na perspetiva do banco central, que analisou os mercados europeus até ao final de 2016, a subida registada pelas praças europeias traduz apenas as expectativas crescentes dos investidores. É grande o otimismo em torno do crescimento dos resultados das cotadas, que por sua vez tenderão a entregar mais dividendos.

Esse otimismo assenta na recuperação da economia da região, que muito tem beneficiado do programa de compra de ativos que tem sido levado a cabo por Mario Draghi. Esses estímulos vão chegar ao fim em breve, mas o BCE não apresenta, neste documento, qualquer análise ao potencial impacto da retirada dos estímulos nos mercados acionistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exuberância nas bolsas? Não. BCE diz que estão baratas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião