Analistas: Vitória do MPLA “é mais do mesmo” para a economia de Angola

  • Lusa
  • 9 Agosto 2017

De acordo com a consultora BMI Research, a vitória "cada vez mais provável" do MPLA nas próximas eleições é "mais do mesmo" para a economia de Angola.

Angolanas vão às urnas no próximo dia 23 de agosto.Wikipedia

A consultora BMI Research considera que a vitória do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) é “cada vez mais provável” e antecipa que a eleição de João Lourenço significa “mais do mesmo em termos de política económica”.

“Uma vitória para o MPLA em Angola nas próximas eleições está a aparecer cada vez mais provável, cimentando o caminho para mais do mesmo em termos da política económica do país”, escrevem os analistas.

Na análise do terceiro trimestre ao país, os analistas desta consultora do Grupo Fitch escrevem ainda que “apesar de não se poder excluir a possibilidade de instabilidade social por alturas do voto, uma oposição fraca significa que qualquer descontentamento público com o partido no poder não deve levar a qualquer alteração significativa no boletim de voto”.

"Uma vitória para o MPLA em Angola nas próximas eleições está a aparecer cada vez mais provável, cimentando o caminho para mais do mesmo em termos da política económica do país.”

BMI Research

A sucessão de José Eduardo dos Santos, que deixa o poder em Angola ao fim de quase 38 anos na Presidência, “pode não correr suavemente”, alertam os analistas, que dizem que um dos principais riscos para o país é “a população levar a cabo protestos regulares e a violência escalar ao ponto de destabilizar o ambiente de negócios“.

Outros dos riscos, concluem, “é os preços do petróleo não recuperarem, colocando pressão acrescida na taxa de câmbio oficial; as desvalorizações da moeda pelo Governo aumentariam os custos da dívida externa, aumentando o risco de incumprimento financeiro [‘default’, no original em inglês]”.

A campanha eleitoral do MPLA está a ser liderada por João Lourenço, cabeça-de-lista e que concorre à eleição, por via indireta, para Presidente da República. João Lourenço foi dispensado pelo chefe de Estado das funções de ministro da Defesa, para se dedicar igualmente à atividade partidária.

"Apesar de não se poder excluir a possibilidade de instabilidade social por alturas do voto, uma oposição fraca significa que qualquer descontentamento público com o partido no poder não deve levar a qualquer alteração significativa no boletim de voto.”

BMI Research

Angola vai realizar eleições gerais a 23 de agosto deste ano, com seis formações políticas concorrentes – MPLA, UNITA, CASA-CE, PRS, FNLA e APN – contando com 9.317.294 eleitores em condições de votar.

A CNE constituiu 12.512 assembleias de voto, que incluem 25.873 mesas de voto, algumas a serem instaladas em escolas e em tendas por todo o país, com o escrutínio centralizado nas capitais de província e em Luanda. Nas eleições gerais são eleitos o parlamento, o Presidente da República e o vice-presidente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Analistas: Vitória do MPLA “é mais do mesmo” para a economia de Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião