Governo lança concurso de 4,2 milhões para apoio à digitalização de PME

  • Lusa
  • 9 Agosto 2017

O Governo lançou um concurso de apoio à digitalização das Pequenas e Médias Empresas (PME) com apoios até 4,2 milhões de euros. Candidaturas decorrem até 29 de setembro.

O Governo lançou esta quarta-feira um concurso de apoio à digitalização das Pequenas e Médias Empresas (PME) com apoios até 4,2 milhões de euros, divulgou o Ministério da Economia.

As candidaturas a este programa, designado Vale Indústria 4.0, decorrem até 29 de setembro e podem concorrer empresas de Portugal Continental que tenham pelo menos três trabalhadores, indicou o Ministério em comunicado, acrescentando que o apoio tem a duração de um ano e o valor máximo é de 7.500 euros por empresa.

A secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann, afirmou, citada no comunicado, que o programa tem por objetivo “disponibilizar às empresas as ferramentas necessárias para promover a definição de uma estratégia tecnológica à medida de cada uma, com o objetivo de melhorar a competitividade e de potenciar o crescimento”.

"[Programa de apoio pretende] disponibilizar às empresas as ferramentas necessárias para promover a definição de uma estratégia tecnológica à medida de cada uma, com o objetivo de melhorar a competitividade e de potenciar o crescimento.”

Ana Lehman

Secretária de Estado da Indústria

Podem concorrer empresas que queiram reforçar a componente digital, seja através da construção de um ‘site’, implementação de comércio eletrónico, realidade aumentada, inteligência artificial, entre outros.

O Governo disse ainda esperar, nos próximos quatro anos, atribuir no total 12 milhões de euros em apoios a cerca de 1.500 empresas.

Quanto às empresas que prestarão estes serviços às PME, o Governo fez um concurso no início do ano, existindo atualmente 381 entidades acreditadas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo lança concurso de 4,2 milhões para apoio à digitalização de PME

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião