Medina não quer concessionar a Carris

Em reacção à decisão do Presidente da República de vetar a blindagem da futura concessão da Carris a privados, Fernando Medina garante que não é sua intenção fazê-lo.

“A Câmara Municipal de Lisboa não pretende utilizar a faculdade de concessão“, relativamente à Carris, diz o atual presidente da Câmara de Lisboa e candidato a uma renovação do mandato, em reação à decisão de Marcelo Rebelo de Sousa de vetar as alterações introduzidas em sede parlamentar ao decreto que passa a propriedade da Carris para a Câmara Municipal de Lisboa.

Em comunicado enviado às redações, esta quarta-feira, Fernando Medina justifica que “a decisão do Senhor Presidente da República valoriza a autonomia do Poder Local no uso das suas competências e na gestão do seu património”. Mas “a Câmara Municipal de Lisboa reitera o seu propósito de manter a empresa na esfera municipal com gestão direta, e o seu forte empenho em continuar a investir para recuperar significativamente a qualidade do serviço prestado”.

A Câmara Municipal de Lisboa reitera o seu propósito de manter a empresa na esfera municipal com gestão direta, e o seu forte empenho em continuar a investir para recuperar significativamente a qualidade do serviço prestado.

Comunicado da CML

O edil sublinha que “a decisão hoje conhecida do Senhor Presidente da República não põe em causa a passagem da Carris para a Câmara Municipal de Lisboa”, uma municipalização aprovada pelo Decreto-Lei 86-D/2016 e promulgada a 30 de dezembro de 2016. É por esta razão que o Ministério do Ambiente não comentou a decisão de Marcelo Rebelo e Sousa.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Medina não quer concessionar a Carris

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião