Unicer: China “compensa perda do mercado angolano”

A China é o maior destino a nível internacional da Unicer, dona da Super Bock. Empresa diz que mantém liderança em África, com uma quota de 77% no mercado das cervejas portuguesas.

Depois do fracasso do processo de internacionalização para Angola da Unicer — a empresa tem um plano para construir uma fábrica naquele país há mais de dez anos — os planos fora de portas da cervejeira estão agora canalizados para o Oriente e para o resto do continente africano. Mas é o mercado nacional que impulsiona as vendas, sendo responsável por cerca de 3/4 do volume total de negócios da Unicer que, em 2016, se cifrou nos 451 milhões de euros.

A China assumiu-se mesmo em 2016 como o primeiro mercado de exportação da Unicer. A empresa não adianta contudo os valores que este mercado representa nas contas da empresa. A cervejeira adianta no relatório de contas de 2016 que “ao longo dos últimos cinco anos, a nossa cerveja tem tido um crescimento sustentado naquele que é um dos maiores mercados do mundo”.

Aliás, no relatório de gestão de 2016, a Comissão Executiva, liderada por Rui Lopes, dá conta de que “compensámos a perda do mercado angolano com crescimento noutras geografias, nomeadamente na China”.

"Compensámos a perda do mercado angolano com crescimento noutras geografias, nomeadamente na China.”

Comissão Executiva da Unicer

Ainda no mesmo relatório, a administração da Unicer refere que “na frente internacional continuamos a enfrentar uma conjuntura muito desafiante, dado que o ciclo de baixa dos preços das matérias-primas, especialmente do petróleo, tem afetado significativamente vários mercados relevantes para a Unicer. A situação tornou-se particularmente penalizadora em Angola que foi, durante largo período, o nosso principal destino de exportação“.

Para logo a seguir acrescentar: “crescemos em todas as geografias em que estamos presentes, com exceção de Angola”.

Mas o que fez a Unicer para conquistar a China? “Outdoors gigantes, material de visibilidade premium em pontos de venda, equipas de promoção em diálogo direto com os consumidores, dinamização nas redes sociais — esta é hoje a realidade Super Bock na China”, lê-se no relatório da empresa.

África cresce 6%, apesar de Angola

Já em África, e segundo dados do relatório de contas, a empresa cresceu 6% naquele continente em 2016, com exceção de Angola. Aliás, em Angola, onde a Unicer chegou a registar, em 2014, mais de 60 milhões de euros de vendas, as receitas em 2016 terão sido apenas residuais.

O crescimento das vendas da Unicer em África são de resto imputadas à boa performance de mercados como Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

A aposta em Moçambique, pese embora as dificuldades da economia moçambicana, mantém-se. A cervejeira construiu mesmo uma operação própria de comercialização e distribuição naquele mercado com mais de 40 colaboradores. A par disso, e a exemplo do que faz em Portugal com a música, a empresa apostou no Super Bock Super Rock On Tour.

A cervejeira reclama mesmo uma posição de liderança no mercado africano global com 77% de quota de mercado das cervejas portuguesas.

Já na Europa, a Unicer adianta que “continua com uma tendência de crescimento, apesar da estabilidade do mercado”. A empresa adianta mesmo que “o sentimento positivo generalizado dos europeus relativamente a Portugal, a consequente apetência por produtos portugueses e o plano de ativação da marca Super Bock foram fatores favoráveis” e que ajudaram a Super Bock e a Pedras a aumentarem os seus volumes de negócios em mercados como França, Suíça, Alemanha, Inglaterra e Bélgica.

A cervejeira acrescenta que “em França, o nosso maior mercado europeu, reforçámos o volume de vendas e quotas nas duas principais categorias Unicer (cervejas e águas com gás)”. O Europeu de Futebol, o regresso de férias e o Natal produziu aumentos de 2% na cerveja e 11% em Pedras face ao ano de 2015.

A Unicer diz ainda que na Alemanha, o maior mercado cervejeiro da Europa, para além do foco na ativação das marcas, registou um crescimento na marca Pedras de 41%.

Em paralelo, a Unicer está a trabalhar em planos de crescimento noutros países, como é o caso de um novo Route to Market no Luxemburgo.

Crescimento também passa por Espanha

Espanha é o maior mercado da Unicer no que diz respeito à marca Pedras fora de Portugal. E a emprea pretende manter o foco no país vizinho em termo de estratégia de internacionalização.

Ao nível das Pedras, a empresa adianta que “no âmbito da parceria de distribuição com o grupo Leche Pascual, foi possível gerar para a marcar um crescimento de 3% face ao ano de 2015”.

A Unicer é participada em 56% pelo grupo Viacer [Violas 46,5%, Arsopi 28,5% e BPI 25%] e 44% pelo grupo Carlsberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Unicer: China “compensa perda do mercado angolano”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião