Martifer passa de prejuízo a lucro de 5,7 milhões de euros no primeiro semestre

  • Lusa
  • 28 Agosto 2017

A Martifer destacou a participação no Hospital Metropolitano de Midland, na remodelação do centro comercial Al Faisaliah e na construção de draga de sucção (um tipo de navio) à West Sea.

O resultado líquido da Martifer nos primeiros seis meses do ano ascendeu a 5,7 milhões de euros, quando tinha tido um prejuízo de 3,2 milhões de euros no período homólogo de 2016, anunciou o grupo esta segunda-feira.

A Martifer dá conta da “melhoria significativa” do resultado líquido no relatório e contas divulgado através do portal da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), revelando que os proveitos operacionais se fixaram em 96,5 milhões de euros, menos 10% do que em igual período do ano passado. Já o EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) baixou de 4,4 milhões de euros em junho de 2016 para 3 milhões de euros em junho último (-33%).

Na base do lucro obtido pela Martifer estão os resultados financeiros, que passaram de apenas 100 mil euros nos primeiros seis meses de 2016 para 18,5 milhões de euros no final do primeiro semestre. Já os resultados antes de impostos passaram de 1,8 milhões de euros negativos (junho de 2016) para 5,9 milhões de euros (junho de 2017).

A companhia realçou ainda a redução da dívida líquida em 29 milhões de euros face a dezembro de 2016 para 207 milhões de euros. A carteira de encomendas na construção metálica e indústria naval subiu para 292 milhões de euros, com o valor do investimento em ativos fixos tangíveis e intangíveis no primeiro semestre a fixar-se nos 1,1 milhões de euros.

A Martifer assinalou os principais acontecimentos da sua atividade no primeiro semestre no relatório divulgado esta segunda-feira, destacando a participação no novo Hospital Metropolitano de Midland (Reino Unido), na remodelação do centro comercial Al Faisaliah (Arábia Saudita) e na adjudicação da construção de draga de sucção (um tipo de navio) à West Sea.

A empresa apontou ainda a entrega dos navios-hotel Douro Elegance e Douro Serenity, a montagem do pavilhão multiusos da Universidade de Dammam (Arábia Saudita) e a construção e desenvolvimento dos parques eólicos de Moimenta, Sernancelhe, Três Marcos e Vale do Chão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Martifer passa de prejuízo a lucro de 5,7 milhões de euros no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião