Dona da Fidelidade expande lucros com o negócio da saúde

  • Juliana Nogueira Santos
  • 30 Agosto 2017

A Fosun International viu os seus lucros aumentarem 34% no primeiro semestre deste ano com o impulso do setor da saúde, presente em Portugal através da Luz Saúde e da Fidelidade.

O conglomerado chinês Fosun International, presente em Portugal através de posições na banca e na saúde, registou um aumento de 34% nos lucros do primeiro semestre deste ano, comparativamente ao mesmo período do ano passado. Por entre os três setores em que a empresa atua, foi o da saúde que mais contribuiu para esta escalada.

Os lucros da empresa liderada por Guo Guangchang subiram de 4,39 mil milhões para 5,86 mil milhões de yuan (557,62 milhões para 836,68 milhões de euros). As receitas também avançaram 12% para 4,57 mil milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, refere a companhia chinesa em comunicado.

As receitas do setor da saúde, que inclui a participação da empresa na Luz Saúde e na seguradora Fidelidade, avançaram 17,64% relativamente ao período homólogo. No setor financeiro, onde se encaixa a posição de 24,7% do BCP, viu as suas receitas aumentarem 9,08%.

“Na primeira metade de 2017, os três ecossistemas centrais da Fosun alcançaram crescimentos fortes”, com a empresa a sublinhar o bom desempenho da Fosun Pharma, do Club Med e da Fosun Insurance Portugal [Fidelidade]. O relatório sublinha também a recuperação do BCP BCP 3,65% que passou de prejuízos para lucros líquidos de 89,9 milhões de euros.

"Na primeira metade de 2017, os três ecossistemas centrais da Fosun alcançaram crescimentos fortes, com as principais plataformas familiares, tais como a Fosun Pharma, a Club Med e a Fosun Insurance Portugal [Fidelidade], a reportaram um forte ímpeto.”

Fosun

Relatório semestral

O grupo chinês tem seguido uma estratégia de expansão internacional desde 2014, tendo investido não só em Portugal, como em França, Canadá, Grécia ou Estados Unidos da América. Para além do setor financeiro e da saúde, a Fosun está presente no entretenimento, sendo um dos investidores da Cirque du Solei.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona da Fidelidade expande lucros com o negócio da saúde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião