Partido Socialista cita Sá Carneiro para criticar Cavaco

Os socialistas reagiram esta quarta-feira às críticas deixadas por Cavaco Silva na Universidade de Verão do PSD. "Falta de sentido de Estado", diz o PS sobre o discurso do ex-Presidente da República.

“Já dizia Sá Carneiro: ‘A política deve aspirar à essência da realização das pessoas'” — foi com esta frase que o Partido Socialista criticou as declarações de Cavaco Silva desta quarta-feira de manhã na Universidade de Verão dos sociais-democratas. O recurso à citação do histórico líder do PSD foi usado pela deputada Susana Amador, que acusou o ex-Presidente da República de ter feito um discurso “com gravidade” e “falta de sentido de Estado”. Em causa estão as frases sobre a política e a comunicação social.

Já dizia Sá Carneiro: ‘A política deve aspirar à essência da realização das pessoas’.

Susana Amador

Deputada do PS

Voltou à política e à atividade partidária com a mesma posição crítica de sempre em relação aos políticos — e aos jornalistas — como se não tivesse sido um dos políticos com mais tempo de funções no tempo da democracia“, criticou a deputada socialista, Susana Amador, a partir do Parlamento, esta quarta-feira de tarde, em declarações transmitidas pela RTP3. “Não estamos na vida política para a nossa realização individual ou vaidade pessoal. Estamos na vida política para a realização das pessoas”, acrescentou.

Esta manhã, sob o tema “Os jovens e a politica: quando a realidade tira o tapete à ideologia”, Cavaco Silva aproveitou a oportunidade para falar sobre o seu passado, referindo aos jovens do PSD que “ninguém deve esperar da política gratidão ou reconhecimento”. Num discurso longo, o ex-Presidente da República criticou também a comunicação social por veicular ‘fake news’ em Portugal.

“Consegui ser muito seletivo em termos de informação. Em relação aos chamados comentadores da TV e da rádio, que são muitas centenas, vocês chegam à conclusão dos que valem a pena e não esgotam os dedos de uma mão”, indicou o antigo Presidente, deixando um alerta: “Os objetivos de quem as [‘fake news’] fabrica são claros: influenciar a opinião público a seu favor ou a favor do seu grupo, ou denegrir a imagem dos seus adversários. Quanto à razão de quem aceita publicá-las, há duas hipóteses: ingenuamente acreditarem que são verdadeiras, ou então aceitam publicá-las para servir ou para agradar os seus fabricantes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partido Socialista cita Sá Carneiro para criticar Cavaco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião