Portugal empurra 1.735 milhões de dívida para 2022

O IGCP conseguiu recomprar 1.735 milhões de euros em dívida que vencia nos próximos três anos. Trocou-a por obrigações com maturidade em 2022, aliviando as necessidades de reembolso entre 2018 e 2020.

Portugal conseguiu recomprar 1.735,7 milhões de euros em obrigações do Tesouro que venciam nos próximos três anos, tendo oferecido em troca nova dívida a cinco anos. Com esta operação de troca de títulos, o IGCP alivia as necessidades de reembolso entre 2018 e 2020, empurrando dívida para 2022.

Como contrapartida para ficar com estes títulos, a agência que gere a dívida pública informa que vendeu aos investidores um total de 1.793 milhões de euros em obrigações com maturidade em 2022. A diferença entre o montante recomprado e emitido resultará de pequenos ajustamentos nos preços de recompra de antigos títulos e de venda dos novos.

O IGCP previa recomprar esta manhã obrigações que venciam em 2018, 2019 e 2020. E recomprou parte destes títulos. Mais concretamente, a instituição liderada por Cristina Casalinho conseguiu ficar 426,7 milhões de euros em dívida que deveria ser devolvida já no próximo ano. Em relação às obrigações com maturidade em 2019 e 2020, recomprou 401 milhões de euros e 908 milhões de euros, respetivamente. Esta dívida só será paga em 2022.

Adia 6% para daqui a cinco anos

Ao trocar estes títulos por outros que vencem em 2022, o IGCP alivia o esforço de reembolso de dívida que terá efetuar ao mercado nos próximos três anos. Em quanto?

Antes desta operação, eram cerca de sete mil milhões em obrigações de médio de longo prazo teriam ser devolvidos em 2018 (agora menos 427 milhões). Os reembolsos de obrigações de médio e longo prazo subiam para aproximadamente dez mil milhões e 11 mil milhões em 2019 e 2020, respetivamente, montantes que também descem com esta operação em função do que foi recomprado em cada uma das linhas.

Contas feitas, de um total de cerca de 28 mil milhões de euros em reembolsos que estavam previstos nos próximos três anos, o IGCP consegue empurrar apenas 6% para 2022, quando terá de pagar reembolsos acima dos 10 mil milhões. Já em 2016 o IGCP havia recomprado obrigações num total de 1.000 milhões que venciam este ano e nos próximos dois, com o objetivo de reduzir o esforço de devoluções ao mercado para mais tarde.

Esta operação de troca de dívida acontece num momento em que Portugal tem acelerado os pagamentos do Fundo Monetário Internacional (FMI), com o objetivo de aliviar o custo da dívida para os cofres públicos. Esta segunda-feira, a agência informou que reembolsou mais 800 milhões de euros ao Fundo, tendo completado o objetivo de devolver à instituição liderada por Christine Lagarde 2.600 milhões de euros em dois meses.

(Notícia atualizada às 11h52)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal empurra 1.735 milhões de dívida para 2022

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião