Harvey soma estragos. Custos podem chegar aos 35 mil milhões de euros

  • Lusa
  • 30 Agosto 2017

Os custos do furacão que tem afetado o Estado do Texas já ascendem aos 35 mil milhões de euros. A confirmar-se, será uma das cinco maiores faturas registadas nos EUA. Conheça o impacto na economia.

Os custos dos desgastes provocados pela tempestade Harvey, que atingiu o Estado do Texas e ameaça o do Louisiana, foram esta quarta-feira estimados em 42 mil milhões de dólares (35 mil milhões de euros). O impacto na economia não se limita aos custos: o Estado do Texas contribuía 9% para o crescimento do PIB americano.

A confirmar-se o valor avançado pelo fundador da agência de modelização Enki Research, Chuck Watson, os custos podem ficar entre os cinco maiores alguma vez registados nos EUA. O resultado dos cálculos passou rapidamente de 30 mil milhões para 42 mil milhões de dólares, com as inundações a atingirem o Estado vizinho do Louisiana e as medidas tomadas para conterem o avanço das águas a revelarem-se insuficientes.

O essencial das operações está focado na retirada das populações e no socorro aos afetados, mas a questão do impacto sobre a economia do Texas, o segundo maior Estado dos EUA, em termos de superfície e população, vai tornar-se essencial. “Se Harvey fosse uma tempestade como as outras, falaríamos de estragos em torno dos quatro mil milhões de dólares”, sublinhou Chuck Watson. “Seria trágico para as pessoas afetadas, mas não se falaria do impacto no conjunto da economia”, acrescentou.

"Se Harvey fosse uma tempestade como as outras, falaríamos de estragos em torno dos quatro mil milhões de dólares”

Chuck Watson, fundador da agência de modelização Enki Research

Mas, com estragos quantificados em 42 mil milhões de dólares, Harvey fica ao nível dos furacões Ike, que atingiu o Texas e parte das Antilhas e Caraíbas em 2008, provocando estragos avaliados em 43 mil milhões de dólares, e Wilma, que devastou o norte dos EUA, em 2005, que destruiu o equivalente a 38 mil milhões de dólares. O valor mais alto deste tipo de destruição é o do Katrina (118 mil milhões de dólares), ocorrido em 2005.

Os estragos ao nível da economia sentem-se em várias frentes. Alguns números que ajudam a perceber a dimensão do impacto desta tragédia natural:

  • O Texas representa cerca de 9% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, logo a seguir à Califórnia. É uma economia com dimensão superior à do Canadá ou da Coreia do Sul;
  • Harvey pode retirar 0,2 pontos percentuais à taxa de crescimento da economia dos EUA no terceiro trimestre, estima o Goldman Sachs. “Mas o impacto […] no conjunto do segundo semestre ainda é incerto”, acrescenta o mesmo banco;
  • 40% da capacidade de refinação dos EUA esteve parada esta quarta-feira, ou em vias disso, calcula o Barclays. A costa texana, no Golfo do México, tem cerca de um terço das capacidades de refinação dos EUA e importantes instalações, como as da ExxonMobil em Baytown, que tiveram de fechar;
  • Apenas 12% dos proprietários nos EUA tinham seguros em 2016 contra prejuízos provocados pela água, taxa que atinge os 14% no sul do país, segundo o Insurance Information Institute. Nos EUA, a cobertura para os prejuízos provocados pela água é diferente da cobertura multirriscos da habitação. Chuck Watson lembrou que, por os mapas de riscos ainda não terem sido atualizados, “dois terços das zonas inundadas não são consideradas como de risco”;

Além da energia, as consequências da catástrofe vão fazer-se sentir na indústria, designadamente na informática, defesa e agricultura, em particular na criação de gado. Se, num primeiro momento, as destruições reduzem a atividade económica, são seguidas depois por uma intensificação da atividade associada à reconstrução das regiões devastadas. “Os efeitos negativos poderiam ser compensados pelo aumento dos investimentos das empresas e das atividades de construção, no período posterior ao do furacão”, acrescentaram.

É uma situação verdadeiramente crítica, não apenas do ponto de vista meteorológico, mas também financeiro, para as pessoas”, disse à AFP uma porta-voz do Instituto, Loretta Worters, que sublinhou que sem ajuda do Governo as vítimas podem ficar arruinadas. Quanto às companhias de seguros, a situação não é muito preocupante, considerou, uma vez que o setor tem um excedente de 700 mil milhões de dólares e pode assumir os custos das indemnizações.

Para as pessoas mais pobres, sem poupanças, os rendimentos vão acabar imediatamente. Watson justificou que estas pessoas “são pagas à hora, não têm salário”, realçando que “as suas faturas se acumulam e as suas casas estão devastadas”. Previu que “é um verdadeiro desastre humanitário que se prepara”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Harvey soma estragos. Custos podem chegar aos 35 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião