Quanto pode custar um ciberataque? Até 120 mil milhões, mais do que o furacão Katrina

Uma seguradora alertou que um ciberataque de grande gravidade poderá resultar em perdas de até 120 mil milhões de dólares para a economia mundial. É mais do que os prejuízos do furacão Katrina.

Os recentes ataques informáticos de ransomware causaram sérios problemas a muitas empresas, incluindo suspensão de operações. Por isso, o mundo ficou de olhos postos neste risco ainda novo, pois um sério ataque informático pode custar dinheiro. Muito dinheiro. E quanto? De acordo com a seguradora Lloyd’s of London, os prejuízos podem ser equivalentes aos provocados pelo furacão Katrina, ou cerca de 120 mil milhões de dólares.

Num relatório de 59 páginas, citado pelo jornal britânico, a seguradora alerta para os riscos que o cibercrime vai representar ao longo dos próximos dez anos. Um ataque informático que fosse capaz de derrubar um provedor de serviços de armazenamento na “nuvem” seria capaz de provocar perdas na ordem dos 53 mil milhões de dólares, em média, na ótica da Lloyd’s of London.

Para esta que é a seguradora mais antiga do mundo, a janela de prejuízos em matéria de ciberataque situa-se entre 15 mil milhões e 121 mil milhões de dólares. Por outras palavras, um ataque dos mais graves poderá significar custos para a economia global tão grandes quanto os provocados por alguns desastres naturais como os furacões Katrina ou Sandy.

O Katrina foi um furacão destruidor que afetou sobretudo o golfo do México em 2005, provocando perdas estimadas de 108 mil milhões de dólares. Já o Sandy, considerado um dos mais mortíferos da história dos Estados Unidos, resultou em prejuízos entre 50 e 70 mil milhões de dólares, para não falar nas 233 vidas que se perderam entre outubro e novembro de 2012 naquele país.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto pode custar um ciberataque? Até 120 mil milhões, mais do que o furacão Katrina

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião