Sem extraordinários, lucros da Mota-Engil afundam

A construtora registou lucros de cinco milhões de euros na primeira metade do ano. As receitas cresceram, enquanto a carteira de encomendas ascendeu a 4,9 mil milhões de euros.

A Mota-Engil fechou o primeiro semestre com lucros de cinco milhões de euros, um resultado que representa uma forte quebra face ao período homólogo explicada pela ausência de efeitos extraordinários que tiveram um impacto positivo no ano passado. As receitas cresceram, enquanto a carteira de encomendas ascende a 4,9 mil milhões de euros.

Os cinco milhões de euros registados no primeiro semestre do ano comparam com os 72 milhões registados no arranque do ano passado, altura em que a empresa liderada por Gonçalo Moura Martins registou ganhos extraordinários de 77 milhões com a venda da Tertir, mas também da Indáqua.

Esta quebra nos lucros já era antecipada pelos analistas, sendo que mesmo assim a construtora conseguiu bater as expectativas tanto em termos de resultados líquidos como do EBITDA e das receitas. Os resultados antes de impostos cresceram 25% para 186 milhões de euros, isto numa altura em que as receitas subiram 15% para 1.196 milhões de euros. A margem de EBITDA aumentou 16%.

De acordo com o comunicado enviado pela Mota-Engil à CMVM, a carteira de encomendas registou um aumento de 450 milhões face a dezembro de 2016, atingindo os 4,9 mil milhões de euros. Parte do aumento tem origem no mercado nacional. A empresa aponta para um acréscimo de 130 milhões de euros em Portugal fruto do crescimento do investimento privado.

(Notícia atualizada 7h40 com mais informação sobre os resultados)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem extraordinários, lucros da Mota-Engil afundam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião