António Chora: Sindicato “montou-se em quatro ou cinco populistas”

  • ECO
  • 29 Agosto 2017

Ex-lider da comissão de trabalhadores da Autoeuropa acredita num acordo mas diz-se "espantado" com primeira greve na empresa fora das gerais em 26 anos.

António Chora, ex-coordenador da Comissão de Trabalhadores (CT) da Autoeuropa, diz estar “espantado” com a primeira greve — fora das gerais — em 26 anos. “Nunca pensei ver tanta verborreia como tenho visto ultimamente, mas o populismo é assim“, assinala.

Em entrevista ao Negócios [acesso pago], publicada esta noite, acrescenta que o sindicato “montou-se em cima de quatro ou cinco populistas”, considerando esse processo “lamentável porque é um sindicato com história”.

Reformado há sete meses do cargo de líder da Comissão de Trabalhadores da Auroeuropa, António Chora considera que o sindicato SITE Sul está a realizar “claramente o assalto ao castelo”, na “tentativa do PCP pressionar o Governo para algumas cedências noutros lados“.

O líder histórico da comissão de trabalhadores acredita, ainda assim, que possa haver um acordo até ao final do ano “se houver uma nova comissão de trabalhadores com carisma, admitindo ainda que adiou a saída por prever um conflito laboral.

“Era para ter saído em dezembro de 2015 mas tinha assinado um acordo a dizer que até fevereiro de 2016 tinha de ter os horários prontos por causa do T-Roc (…) Podia ter-se arranjado algum tempo no meio disto tudo para negociar. Não podia estar a prolongar eternamente a minha saída”, conclui.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Chora: Sindicato “montou-se em quatro ou cinco populistas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião