Trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram pré-acordo negociado com a administração

  • Lusa
  • 29 Julho 2017

74,8% dos trabalhadores rejeitaram o pré-acordo alcançado com a administração da empresa para a implementação dos novos horários por turnos.

Uma maioria esmagadora dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitou sexta-feira o pré-acordo alcançado pela Comissão de Trabalhadores para a implementação de novos horários por turnos mediante uma compensação financeira de 175 euros acima do valor previsto na legislação.

Segundo disse à agência Lusa fonte da CT da Autoeuropa, o pré-acordo alcançado com a administração da empresa para a implementação dos novos horários por turnos obteve apenas 23,4% de votos favoráveis num universo de 3.472 votantes. Os restantes rejeitaram.

“Conseguimos negociar uma compensação financeira para os horários que a empresa pretende implementar para assegurar a produção do novo veículo T-Roc, sendo que esses horários são legais e deverão ser aplicados pela empresa, apesar desta votação”, disse à agência Lusa o coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa, Fernando Sequeira.

Receio que nos trabalhadores que votaram pelo `não´ ao pré-acordo não tenham percebido que pode estar em causa, pelo menos, uma parte da produção do novo veículo T-Roc na Autoeuropa“, acrescentou o coordenador da CT, que se escusou a explicar até que ponto a recusa do pré-acordo poderá comprometer o futuro da fábrica de Palmela.

Em comunicação enviada sexta-feira aos funcionários da Autoeuropa, o responsável pelos Recursos Humanos e Produção da Volkswagen, Jürgen Haase, lembrava que a Volkswagen tinha investido muito dinheiro para produzir o novo veículo T-Roc na fábrica de Palmela, advertindo também que os níveis de produção previstos exigiam novos horários, de três turnos, e trabalho aos sábados.

Não é a primeira vez que os trabalhadores da Autoeuropa rejeitam um pré-acordo negociado pela Comissão de Trabalhadores, situação que já tinha ocorrido em julho de 2009. Resta saber se, tal como aconteceu no passado, administração e trabalhadores serão capazes de encontrar forma de ultrapassar as divergências. Os trabalhadores da Autoeuropa anunciaram a realização de uma greve de 24 horas para o próximo dia 30 de agosto.

Fiequimetal saúda rejeição de acordo por trabalhadores da Autoeuropa e quer nova solução

A federação intersindical Fiequimetal saudou este sábado os trabalhadores da Autoeuropa que rejeitaram o pré-acordo alcançado pela Comissão de Trabalhadores para novos horários por turnos e mostrou-se disponível para encontrar uma nova solução com a empresa. “A Fiequimetal e o SITE Sul saúdam os trabalhadores da Volkswagen Autoeuropa, que ontem [sexta-feira] rejeitaram uma nova versão do agravamento dos horários de trabalho, objetivo que está a ser perseguido pela administração da empresa, a pretexto do previsto aumento do volume de produção”, lê-se na informação divulgada no portal na Internet da federação sindical ligada à CGTP.

Segundo a Fiequimetal e o SITE, esta votação mostra que “os trabalhadores da Autoeuropa sabem claramente o que querem”, que “têm direito a descanso aos fins-de-semana, têm direito a melhor qualidade de vida, têm a preocupação de preservar a saúde”. “A Fiequimetal e o SITE Sul reafirmam que continuam disponíveis para encontrar uma solução que sirva os interesses dos trabalhadores, que são o verdadeiro motor da Autoeuropa”, lê-se na informação hoje divulgada.

A federação sindical apela, por fim, a que os trabalhadores “não cedam a chantagens, venham elas de onde vierem, e se mantenham unidos e firmes nesta luta”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram pré-acordo negociado com a administração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião