Caldeira Cabral: Autoeuropa e funcionários vão chegar a um entendimento

  • Lusa e ECO
  • 7 Julho 2017

Depois de a empresa ter expandido a produção e estar a negociar um novo horário com os trabalhadores, o ministro da Economia está seguro que ambas as partes chegarão a um "entendimento positivo".

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, disse esta sexta-feira acreditar que a Autoeuropa vai chegar a “um entendimento positivo” com os seus trabalhadores, depois de a empresa ter expandido a produção e, consequentemente, ter gerado mais trabalho.

“Não vou discutir questões laborais específicas da empresa. As questões laborais de cada empresa são discutidas em cada empresa e a empresa em particular tem muito boa tradição de relações laborais e penso que, certamente, chegará a um entendimento positivo com os trabalhadores”, sustentou.

No final de uma visita à fábrica de calçado Ara, em Seia, Manuel Caldeira Cabral sublinhou que o novo modelo da Autoeuropa está a proporcionar uma expansão da sua produção, sendo por isso que “precisa de mais trabalho”. “Isso é um bom sinal, de dinamismo da economia”, acrescentou.

A comunicação social avança hoje que a Autoeuropa está a negociar um novo horário com os trabalhadores da fábrica portuguesa do grupo Volkswagen, propondo que passe a funcionar seis dias por semana e que os operários tenham apenas uma folga fixa, ao domingo, e duas folgas consecutivas a cada três semanas.

Aos jornalistas, o representante do Governo realçou que há três anos se falava em despedimentos e suspensões temporárias dos contratos de trabalho, enquanto atualmente se fala de criação de emprego e de investimentos. “Assinalo o bom momento que se vive em toda a indústria automóvel, não só nas grandes empresas, mas o bom momento de investimento na Autoeuropa, na Renault, PSA e outras grandes empresas automóveis que estão em Portugal e todas a investir. Também as empresas de componentes e moldes estão a ter um momento mais dinâmico, com criação de emprego e investimento”, concluiu.

Qualificação e formação para aumentar a mão de obra

Na mesma visita, o ministro da Economia admitiu que há setores onde já se sente falta de mão-de-obra, embora entenda que este é um problema “mais positivo” do que o elevado desemprego encontrado ao chegar ao Governo. Caldeira Cabral frisou também que o atual Governo tem “uma aposta muito forte” na qualificação e na formação.

“Há alguns setores onde já se sente a falta de mão-de-obra e é para esses setores que temos de canalizar a formação e ajudar quem está no desemprego a encontrar um emprego mais qualificado e, por isso mesmo, com melhores condições e remuneração. É assim que se progride e é esse o caminho que estamos a fazer”, referiu.

No seu entender, os números relativos ao desemprego nacional têm vindo a diminuir, ultrapassando as expectativas de praticamente todas as agências internacionais, no entanto, Portugal ainda tem “um nível de desemprego elevado”. Para colmatar isto, o ministro da Economia reiterou a necessidade de apostar na qualificação e na formação.

“Temos que valorizar mais a mão-de-obra e temos que trazer mais mão-de-obra para o mercado de trabalho, com melhores qualificações. Essa é uma aposta que está no Plano Nacional de Reformas e é uma aposta que estamos a seguir com toda a convicção”, sustentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caldeira Cabral: Autoeuropa e funcionários vão chegar a um entendimento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião