Algarve foi destino preferido dos europeus em Portugal

A região liderou a lista dos destinos portugueses preferidos pelos cidadãos europeus, seguindo-se Lisboa. Dados agora revelados dizem respeito a 2015, antes do boom turístico que afetou o país.

Em 2015, quando os europeus pensavam em Portugal, pensam sobretudo no Algarve e em Lisboa. Foram as regiões portuguesas onde os turistas da União Europeia (UE) mais pernoitaram nesse ano, num total de 18,9 milhões de noites passadas no sul do país e 15 milhões na capital. Os dados foram agora revelados pelo Eurostat e dizem respeito a um período anterior ao boom turístico do país.

Aliás, nessa altura, nenhum destino nacional constava nos primeiros 30 lugares da lista de destinos preferidos pelos cidadãos europeus. Em contrapartida, as posições de topo foram praticamente todas conquistadas por cidades em Espanha, França e Itália. As Canárias foram o destino mais visitado dentro da UE, com 94 milhões de pernoitas, seguindo-se Ilha de França com 76,8 milhões de noites passadas por turistas europeus. Em terceiro ficou a Catalunha, com 75,5 milhões de pernoitas.

Segundo o gabinete de estatística da UE, os viajantes europeus passaram 85% das noites em Estados-membros e 15% em destinos exteriores à união. Quanto às pernoitas dentro da UE, 90% foram por europeus e os restantes 10% por cidadãos de países exteriores à UE. Quanto aos portugueses, apenas 7% do total de pernoitas em viagem foram passadas em destinos não europeus.

Os portugueses que viajaram para fora da UE preferiram o Brasil como destino, país que registou 19,1 milhões de estadias por parte de cidadãos oriundos de Portugal. O segundo destino preferido foi a Suíça, com 13,9 milhões de estadias. Em terceiro lugar, Cabo Verde, com 8,9 milhões de estadias. No total da UE, os destinos exteriores preferidos pelos viajantes europeus foram os Estados Unidos, a Turquia e Marrocos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Algarve foi destino preferido dos europeus em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião