BCP sem estofo para Santander e Commerzbank na compra polaca

O BPI considera que o BCP tem pouca margem para competir com os outros dois gigantes da banca europeia na corrida pelas operações do Deutsche Bank na Polónia.

Para o BPI Research, o BCP BCP 0,00% dificilmente terá condições para competir com o Santander e Commerzbank na corrida pelo banco polaco do Deutsche Bank. Porquê? O negócio vai afetar de forma considerável os rácios de capital do banco português.

BCP, Santander e Commerzbank estão na corrida pela compra do negócio do alemão Deutsche Bank na Polónia, numa operação que está avaliada em torno de 500 milhões de euros, segundo avança imprensa do país. O jornal Puls Biznesu coloca o Commerzbank na pole position num processo que conhecerá novos desenvolvimentos no início do próximo mês com a apresentação de ofertas vinculativas.

Os analistas do BPI Research dizem que “os impactos de capital tornam menos provável que o BCP possa superar o Santander ou o Commerzbank no processo de venda do Deutsche Bank“. “Para o BCP, estimamos que o potencial negócio (…) poderá ter um impacto negativo de cerca de 80 pontos base no rácio de capital Tier 1 (11,2% em março)”, calcula o BPI Research.

O BCP está no mercado polaco através do Millenium Bank. O ECO tentou obter uma reação do BCP, mas ainda não obteve uma resposta até ao momento.

Em relação ao Santander, o impacto nos rácios de força financeira seria bastante menos negativo, de apenas cinco pontos base, adianta ainda o BPI Research.

O Deutsche Bank está a vender o seu negócio na Polónia, exceto os empréstimos denominados em moeda estrangeira. Estes ativos poderão estar avaliados em 500 milhões de euros, excluindo um fator de desconto que costuma estar incluindo quando alguma entidade pretende alienar determinado ativo.

BCP perde força na bolsa

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP sem estofo para Santander e Commerzbank na compra polaca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião