BE: “O Orçamento executado não é o que aprovámos”

  • Margarida Peixoto e Marta Santos Silva
  • 7 Julho 2017

Luís Montenegro, líder parlamentar do PSD, não deixou passar a crítica da bloquista. E perguntou: "Qual foi a consequência que tirou disso?"

“O Orçamento executado em 2016 não é o que aprovámos”, criticou Mariana Mortágua, deputada do Bloco de Esquerda, apontando diretamente para o ministro das Finanças. Mário Centeno esteve esta sexta-feira no Parlamento para explicar as cativações aplicadas na despesa em 2016. O debate foi convocado pelo PSD, mas o ministro não escapou às críticas da esquerda.

“Uma coisa é verdade, vamos criticar as coisas pelo que elas são e não pelo que nos dá jeito criticar. O Orçamento executado em 2016 não é o Orçamento que nós aprovámos,” assumiu Mariana Mortágua, afirmando que o défice ficou abaixo do previsto por maiores cativações do que o que tinha sido planeado.

No final do debate, Luís Montenegro, líder da bancada parlamentar do PSD, não deixaria passar a crítica: “A deputada Mariana Mortágua veio dizer que o Orçamento executado não correspondeu ao que aprovou. E qual foi a consequência que tirou disso?”

A deputada defendeu que as cativações foram feitas de forma nada transparente e de acordo com o que era necessário para agradar à União Europeia. Mas “quem lhe dá [ao Governo] a maioria não é a União Europeia,” avisou Mortágua.

Mais: é preciso explicar. “A Conta Geral do Estado diz que há cativações na Saúde,” diz Mariana Mortágua, e na Educação. “O Governo deve descrever de que forma essas cativações não afetaram as escolas nem o SNS,” argumentou. Além disso, “a despesa tem de aumentar. Porque é esse o compromisso, que a despesa nos serviços públicos aumente,” lembrou.

Ainda assim, a bloquista fez questão de sublinhar, dirigindo-se ao PSD e ao CDS, que o que se viu entre 2012 e 2015 foram cortes, enquanto em 2016, quando se olha para o valor executado do Orçamento vê-se “reforço de verbas.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE: “O Orçamento executado não é o que aprovámos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião