“Este Governo é mais manhoso”, acusa PSD

  • Margarida Peixoto
  • 6 Julho 2017

O líder parlamentar dos social-democratas defendeu que os Orçamentos Retificativos do anterior Governo eram "exercícios de transparência". O PSD marcou debate sobre o assunto para sexta-feira.

O líder da bancada parlamentar do Partido Social Democrata (PSD), Luís Montenegro, acusou o Governo de ser “manhoso” na gestão orçamental que faz. O social-democrata criticou a opção do Executivo de aplicar um valor elevado de cativações sem clarificar exatamente onde é que o aperto orçamental está a ser aplicado. Montenegro anunciou também que o PSD pediu esta quinta-feira a marcação de um debate de atualidade para sexta-feira sobre este assunto.

Lembrando as medidas de reposição dos rendimentos decididas pelo Governo de António Costa — como a reversão dos cortes salariais dos funcionários públicos ou a atualização das pensões — Luís Montenegro criticou o Governo por “nunca” dizer “o que estava a fazer em contraponto.” E concluiu: “O que estava a fazer era cortar na saúde, educação, áreas de soberania,” disse aos jornalistas, em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Mas o deputado foi mais longe e defendeu que a apresentação de Orçamentos Retificativos — que marcou a governação do Executivo PSD/CDS-PP liderado por Passos Coelho — não era mais que “exercícios de transparência política.” E acusa: “Este Governo é mais manhoso.”

Montenegro quer que o Governo “assuma suas escolhas, assuma onde cortou.” As críticas vêm na sequência de uma audição do ministro das Finanças, Mário Centeno, onde os deputados quiseram saber com detalhe em que áreas ou funções do Estado tinham sido feitas cativações em 2016. Mas Centeno frisou onde não tinham sido aplicadas cativações — Educação, Saúde e Lei de Programação Militar, remetendo os deputados para a Conta Geral do Estado. A informação consta, de facto, deste documento, mas não está sistematizada no corpo do relatório.

Montenegro deixa liderança parlamentar

O deputado aproveitou para confirmar que a 19 de julho serão realizadas eleições para escolher o novo líder parlamentar do PSD. “O meu mandato terminou com o final desta sessão legislativa”, explicou. O objetivo é permitir que a próxima liderança tenha tempo para preparar os trabalhos do próximo ano parlamentar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Este Governo é mais manhoso”, acusa PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião