EUA aumentam produção. Petróleo abaixo dos 45 dólares com bastante oferta

Produção de ouro negro voltou a acelerar nos EUA na última semana, absorvendo impacto dos cortes da OPEP. Em Nova Iorque, crude volta a negociar abaixo da fasquia dos 45 dólares.

O petróleo volta à zona de pressão abaixo dos 45 dólares, depois de os EUA terem aumentado a produção ao maior ritmo desde janeiro, absorvendo o impacto dos cortes promovidos pela OPEP e outros parceiros.

Em Nova Iorque, o barril do WTI cai 1,49% para 44,84 dólares, e vai a caminho da sexta semana de perdas desde o final de maio. Também o barril de Brent, negociado em Londres e que serve de referência para as importações nacionais, desvaloriza 1,31% para 47,44 dólares.

De acordo com a Administração de Informação de Energia norte-americana, a produção desta matéria-prima registou na semana passada o maior aumento desde janeiro. A produção de crude aumentou em 88 mil barris por dia na última semana para 9,34 milhões de barris, de acordo com o relatório semanal divulgado esta quinta-feira.

Petróleo cede à pressão americana

Bloomberg (valores em dólares)

“A pressão regressou ao mercado e não é uma surpresa este movimento, tendo em conta os ganhos que assistimos depois dos mínimos perto dos 42 dólares”, referiu Michael McCarthy, estratega da CMC Markets, à Bloomberg. “O petróleo deverá negociar em ambos os sentidos a médio e longo prazo, com os mínimos de 40 dólares e os máximos à volta de 55 dólares por barril”, acrescentou.

"A pressão regressou ao mercado e não é uma surpresa este movimento, tendo em conta os ganhos que assistimos depois dos mínimos perto dos 42 dólares. O petróleo deverá negociar em ambos os sentidos a médio e longo prazo, com os mínimos de 40 dólares e os máximos à volta de 55 dólares por barril.”

Michael McCarthy

Estratego da CMC Markets

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA aumentam produção. Petróleo abaixo dos 45 dólares com bastante oferta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião