Offshores: Metade das transferências não fiscalizadas foram no BES e Montepio

  • ECO
  • 7 Julho 2017

Mais de metade das transferências para paraísos fiscais que escaparam ao radar do Fisco entre 2011 e 2014 terão sido feitas no BES e no Montepio. O total: 12.564 operações não registadas.

O BES e o Montepio representaram mais de metade das transferências de dinheiro para paraísos fiscais que escaparam ao escrutínio do Fisco entre 2011 e 2014. Em causa está o “apagão” no sistema central que deveria registar estas operações. A notícia foi avançada pelo Jornal Económico [acesso condicionado].

Sobre estes dois bancos recaíram 12.564 transferências para offshores que ficaram fora do radar — isto é, 8.055 milhões de euros de um total de cerca de dez mil milhões de euros. A conclusão consta, aliás, na auditoria da Inspeção-Geral das Finanças (IGF) ao problema, agora concluída. Mas o relatório não identifica o nome das instituições por razões de sigilo.

No entanto, tratar-se-ão do antigo banco de Ricardo Salgado e do mutualista Montepio, segundo o jornal. No caso do BES, terão sido transferidos em três anos 8.247 milhões de euros para contas offshore, mas o sistema só registou 330 milhões de euros. Já no caso do Montepio, de um total de 2.315 transferências para contas em paraísos fiscais no valor de 192 milhões de euros, só terão chegar ao sistema do Fisco registos da saída de 138 milhões, ou 72% do total.

O relatório da IGF mostrou-se inconclusivo em alguns aspetos. Indicou que, na base da falha, poderá ter estado um problema de software, embora não tenha sido encontrada uma explicação informática para o erro. A auditoria concluiu ainda ser “extremamente improvável” que a falha tenha tido origem em mão humana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Offshores: Metade das transferências não fiscalizadas foram no BES e Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião